A solução líquida obtida será inserida em um aparelho chamado “medidor portátil de íons” (Horiba Laqua twin® ou similar) (Foto: Thais Ribeiro)
A solução líquida obtida será inserida em um aparelho chamado “medidor portátil de íons” (Horiba Laqua twin® ou similar) (Foto: Thais Ribeiro)

Da Agência Embrapa de Notícias*

Cientistas da Embrapa Soja (PR) desenvolveram um teste que avalia na lavoura de soja a concentração de potássio (K), macronutriente fundamental para o desenvolvimento das plantas. A avaliação permite corrigir possíveis deficiências nutricionais com agilidade, pois substitui as atuais análises laboratoriais convencionais mais demoradas. Os pesquisadores ressaltam, porém, que as análises laboratoriais continuam sendo importantes para a avaliação dos demais nutrientes.

Chamada de Fast-K, a tecnologia, que será lançada esta semana durante o Show Rural Coopavel, em Cascavel (PR), utiliza um medidor portátil que analisa uma solução líquida feita com folhas de soja. A partir desse material, o equipamento interpreta e apresenta os resultados na hora, dispensando a diagnose tradicional que tem de ser feita em laboratório.

Resultado na hora para correção nutricional rápida

A proposta do Fast-K é melhorar o manejo nutricional da soja, de acordo com o pesquisador da Embrapa Adilson de Oliveira Júnior. “Ao realizar o teste foliar no campo, a assistência técnica ganha tempo para tomar as decisões mais acertadas em relação à correção da deficiência de potássio ainda na safra em curso, uma vez que o potássio tem influência direta na produtividade”, detalha o cientista.

O potássio é o segundo nutriente mais exportado pela soja, atrás apenas do nitrogênio, que é fornecido via fixação biológica de nitrogênio (FBN). Estudos desenvolvidos pela Embrapa indicam que, em média, a soja demanda 20 quilos de óxido de potássio (K2O) por hectare para cada tonelada de grãos produzida. O nutriente é retirado pelas plantas do solo que, com o tempo, vai ficando sem o elemento. “Essa alta exportação de potássio, quando não é reposta nas quantidades exportadas, pode levar à redução da disponibilidade do nutriente no solo e, consequentemente, à redução de produtividade”, explica Oliveira Júnior.

Deficiência de potássio afeta produtividade

Há algumas safras, a Embrapa Soja tem identificado o aparecimento de sintomas de deficiência de potássio em lavouras de soja no Brasil, como o amarelecimento das folhas superiores da planta causado pela produção insuficiente de clorofila decorrente da falta desse elemento, fenômeno conhecido como clorose.

Além disso, muitas lavouras podem sofrer carência do nutriente sem apresentar sintomas, processo denominado “fome oculta”. De acordo com o pesquisador, é imprescindível manter os teores adequados de potássio, porque o nutriente auxilia as plantas a ampliar a tolerância a estresses bióticos (como insetos-praga, fungos, bactérias) e abióticos (seca e mudanças de temperatura, por exemplo), garante melhor qualidade às sementes e grãos, além de ser responsável por outras funções, fatores que tornam o nutriente essencial à produtividade.

(Foto: Adilson de Oliveira)
(Foto: Adilson de Oliveira)

Como funciona o Fast-K

A primeira etapa do método Fast-K envolve a coleta de cinco a dez folhas de soja. A amostragem deve representar a condição média do talhão, ou ainda, contrastando condições e plantas com e sem sintomas, em áreas com suspeita de deficiência de potássio.

A fase de desenvolvimento mais indicada para a amostragem é a mesma da diagnose nutricional padrão (pleno florescimento/início de formação das vagens: estádio R2/R3). “No entanto, para aumentar o espectro de amostragem, a metodologia foi calibrada também para as fase de formação de vagens (R4) e início de enchimento de grãos (R5.1 a R5.3)”, explica o pesquisador da Embrapa.

Após a coleta, as folhas precisam ser pesadas (1,5 a 2,5 g de folhas recém- amostradas) em balança portátil (precisão de 0,1 g e capacidade máxima de 500g). Posteriormente, serão maceradas com uma pequena quantidade de água para se obter uma massa fresca que será passada por um filtro de papel.

A importância de monitorar a fertilidade do solo

A produção agrícola depende, entre outros fatores, da disponibilidade de nutrientes de forma equilibrada no solo. O pesquisador Adilson de Oliveira Júnior explica que a avaliação periódica da fertilidade é fundamental para se indicar o nível de nutrientes presentes no solo e sua capacidade de suprir as necessidades das plantas em uma lavoura.

Segundo o pesquisador, a avaliação da fertilidade do solo pode ser realizada de duas maneiras: por meio da análise química de solo ou via análise foliar. No primeiro tipo, são coletadas amostras representativas da propriedade para se avaliar a disponibilidade de macronutrientes (fósforo, cálcio, potássio e magnésio) e o pH do solo (determina o grau de acidez e alcalinidade do solo). “A análise de solo traz informações sobre a disponibilidade dos nutrientes para que o produtor possa utilizar os fertilizantes mais adequados e nas quantidades ideais para cada situação”, relata. “Além de auxiliar na decisão de adubação, indica a necessidade de aplicação de calcário ou gesso, práticas que, respectivamente, neutralizam a acidez do solo e melhoram o ambiente para o crescimento das raízes em subsuperfície”, detalha.

Em complementação à análise de solo, Oliveira recomenda a análise foliar. Essa avaliação é feita a partir das folhas de soja para se quantificar os nutrientes que a planta absorveu e com isso refinar o manejo nutricional da lavoura. A interpretação vai variar de região para região, porque existem tabelas adaptadas para o Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso Sul e uma geral para o Brasil. “A palavra-chave é avaliar, monitorar, remensurar, sempre para verificar se o que foi aplicado está atendendo ao que foi exportado pela planta”, diz o pesquisador.

(Foto: Thais Ribeiro
(Foto: Thais Ribeiro

Micronutrientes também são necessários

Ele destaca também a necessidade dos micronutrientes, que apesar de serem demandados em pequenas quantidades pelas plantas, quando comparadas com as dos macronutrientes, sua importância é igualmente fundamental para o desenvolvimento e produção da cultura.

Os micronutrientes essenciais são boro (B), cobre (Cu), manganês (Mn), molibdênio (Mo), cobalto (Co) e zinco (Zn). “A utilização de micronutrientes vem ganhando destaque na soja devido ao aumento dos patamares produtivos, do aumento da remoção de diversos nutrientes do solo, do aparecimento de deficiências e do incorreto uso de calcário”, conta.

*Com edição de Cerrado Rural Agronegócios