SHARE

O Centro de Compostagem de Palmas, no estado do Tocantins, produziu e distribuiu durante 2017, de acordo com o município, mais de 500 metros cúbicos do adubo orgânico que está sendo usado nas hortas comunitárias e pelos produtores do entorno de Palmas, o chamado cinturão verde. Atualmente, o composto denominado de super mix 4-2-2, está sendo enriquecido com farinha de ossos e resíduo de soja.

Palmas produziu e distribuiu durante 2017 mais de 500 metros cúbicos do adubo orgânico
Palmas produziu e distribuiu durante 2017 mais de 500 metros cúbicos do adubo orgânico (Foto: )

O composto super mix 4-2-2, livre de elementos químicos, que causam danos à produção do campo, é desenvolvido pela Secretaria de Desenvolvimento Rural de Palmas (Seder), que faz o reaproveitamento de material orgânico, que seria descartado após serviços de poda e galhadas.

Além de abastecer os produtores, esse adubo orgânico é utilizado nas rotatórias, praças e parques, o que permite melhor preparo e manutenção do solo, contribuindo com a preservação das áreas verdes da cidade.

Compostagem

A Seder explica que a compostagem trata-se de um processo natural em que os micro-organismos, como fungos e bactérias, são responsáveis pela degradação de matéria orgânica, neste caso, as galhadas, que são coletadas na cidade e são encaminhadas para o Núcleo de Compostagem.

O projeto, desenvolvido e executado pelo secretário da pasta, Roberto Sahium, foi implantado pela Seder em 2013, e tem o objetivo de transformar em adubo orgânico todas as galhadas de podas de árvores, gramas e demais folhagens oriundas da área urbana de Palmas. O adubo é aplicado nos canteiros centrais e rotatórias da cidade.

Da Secom/Palmas-TO, com edição de Cerrado Rural Agronegócios

NO COMMENTS

LEAVE A REPLY