*Da Agência SAFRAS

Adquirida em 2017 pela Corteva e fundada em 2014 no Vale do Silício, nos Estados Unidos, a Granular, empresa de agricultura digital apresentou ao mercado o mercado o Granular Insights. Essa é a primeira solução da empresa no Brasil, que oferece softwares de dados operacionais, financeiros e agronômicos, e que está presente também no Canadá e Austrália.

“Estamos trabalhando para expandir nossa operação nas diversas regiões do país em número de usuários e área monitorada” (Foto: Divulgação)

Granular Insights é uma ferramenta que permite aos produtores direcionarem o monitoramento no campo para identificar mudanças nas lavouras, facilitar a colaboração com os parceiros e trazer informações para tomada de decisão com confiança e economia de tempo, buscando aumento de lucratividade.

– Estamos trabalhando para expandir nossa operação nas diversas regiões do país em número de usuários e área monitorada – explica o líder de marketing da Granular no Brasil, Lucas Melo.

Operando há seis meses, a plataforma já monitora 1 milhão de hectares e tem 1,3 mil usuários no Brasil.

Entre os usuários, Melo destaca produtores rurais, agrônomos, consultores e distribuidores. O dirigente evitou projetar números para 2020, mas garantiu que a empresa trabalha com metas de expansão, visando um aumento na área de cobertura e um maior engajamento de usuários.

– Queremos estar presentes em todas as regiões do país, contribuindo para culturas como soja, milho, algodão, café, cana, hortaliças, sorgo e laranja.

O diretor global de vendas da Granular, Eamon Flood, disse que o objetivo da plataforma é auxiliar a alavancar o rendimento das lavouras e facilitar a tomada de decisões por parte do produtor. Eamon afirmou estar satisfeito com os resultados alcançados nos primeiros seis meses de atuação no Brasil.

– O Brasil tem sido o melhor usuário da plataforma. É o país onde temos o maior engajamento por hectare. O mercado nos parece bem encorajador para 2020 – completou Flood.

A Granular tem como objetivos para esse ano ampliar a sua base de usuários e garantir as renovações de licença ao final dos contratos.

– Afinal, o que buscamos é entrar no mercado com um produto que tenha um uso fácil para que o produtor use realmente essa ferramenta – conclui Melo.

*Por Dylan Della Pasqua, com edição de Cerrado Rural Agronegócios