Durante a abertura do Seminário sobre Resistência Antimicrobiana, realizado com a União Europeia, na manhã desta quarta-feira, 29, em Brasília, o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Blairo Maggi, afirmou que o governo brasileiro somente adotará decisões nessa área baseadas em estudos científicos. Segundo ele, está sendo elaborando um plano nacional de combate à resistência antibacteriana no país, comandado pelos ministérios da Agricultura e da Saúde e da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). A resistência aos antibióticos vem sendo discutida mundialmente.
MA resistência aos antibióticos vem sendo discutida mundialmente (Foto: Divulgação)
MA resistência aos antibióticos vem sendo discutida mundialmente (Foto: Divulgação)
Maggi disse que o Brasil não aceitará, do mesmo modo, barreiras sanitárias aos produtos agropecuários, especialmente os de origem animal, que não sejam baseadas em resultados de pesquisas científicas.
– As decisões terão que ser tomadas com base na ciência, no conhecimento adquirido por meio da pesquisa e da inovação. Não se pode ter aqui no meio de paixões, ideologia e interesses comerciais.
O Ministro ressaltou ainda que o Brasil agirá no combate aos interesses comerciais, que muitas vezes usam argumentos não científicos para criar novas barreiras e impedir o comércio entre os países.
O comissário da União Europeia para Saúde e Segurança alimentar, Vytenis Andriukaitis,  destacou que os países estão buscando alternativas ao uso de antibióticos nos alimentos para evitar o aumento da resistência antimicrobiana.
Além de Blairo Maggi, estiveram no seminário o ministro da Saúde, Ricardo Barros, e  o presidente da Anvisa, Jarbas Silva. O encontro reúne representantes das áreas de saúde e agropecuária da Argentina, Colômbia, Chile, Peru, Paraguai e Uruguai. Trata-se de ação global, liderada pela União Europeia, a fim de conduzir o uso desses produtos em vários estágios da produção de alimentos. O seminário tem apoio das organizações Mundial de Saúde (OMS),  Internacional de Saúde Animal  (OIE) e a das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO)
Da Ascom/Mapa, com edição de Cerrado Rural