Por Ana Luiza Lima Rocha, Eloísa de Arruda Henrrig, Elenice Souza dos Reis Goes, Heloise Nantes Romero Leal, Fabrício Carneiro de Souza e Daniele Menezes Albuquerque*

A merenda escolar é vista como um instrumento capaz de atingir crianças de diferentes idades, permitindo estimular uma alimentação saudável que inclui alimentos de boa qualidade e valor nutricional na dieta. Os produtos obtidos na aqüicultura e pescado destacam-se por ser uma fonte rica em proteínas, sais minerais, vitaminas e lipídios importantes para atividade fisiológicas e nutricionais. O objetivo deste trabalho foi introduzir o consumo  de um produto à base de tilápia do Nilo na merenda escolar na Escola Estadual Rita Angelina Barbosa Silveira, direcionando crianças, professores e merendeiras a tornarem-se agentes multiplicados na cidade de Dourados, Mato Grosso do Sul. A atividade de ensino e extensão se resumiu na realização de uma receita contendo tilápia do Nilo como proteína animal, em que os estudantes da escola prepararam o alimento e receberam o auxílio de um grupo de acadêmicos do curso de Engenharia de Aquicultura da Universidade Federal da Grande Dourados.

(Imagem ilustrativa: divulgação)

Precedentemente, os discentes reuniram-se com as crianças com o intuito de promover um  diálogo acerca da importância do consumo de pescado. A turma foi separada em seis grupos (5-6 anos e 3 acadêmicos), em que cada grupo foi responsável pela elaboração de uma receita, almôndegas de filé de tilápia, na qual os ingredientes necessários concedidos a cada equipe em consistiram em 750g de filé de tilápia; 50g de farinha de aveia; 50g de farinha de rosca; 2 ovos; 8g de proteína texturizada de soja triturada; 12g de sal; 8g de salsinha triturada; 8g de cebola desidratada triturada; 8g de alho desidratado triturado; 2g de urucum.

Os discentes responsabilizaram-se pela segurança de cada criança e manejo dos utensílios da cozinha. O preparo seguiu com o auxílio de uma bandeja, no qual todos os ingredientes foram misturados até a combinação ficar homogênea. Em seguida, cada mistura rendeu cerca de 38 almôndegas e, por conseguinte, adicionou-se o molho de tomate a base de tomates e beterraba. Ao todo, 230 almôndegas foram combinadas ao molho e servidas às próprias crianças que realizaram a atividade, junto com os alunos da Universidade, professores e as merendeiras que acorreram a prática.

Foram avaliados os atributos de aparência, sabor e aceitação geral. Constatou-se que as crianças em sua maioria não são familiarizadas com o consumo de pescado, dentro e fora do ambiente escolar, em que muitas expressaram insegurança ao experimentar as almôndegas. Conclui-se que o sabor e a aceitação geral foi satisfatória de todos os atores envolvidos na atividade de ensino e extensão, realizada na Escola Estadual Rita Angelina.

Baseado neste trabalho, a Universidade possui papel fundamental para estimular a sociedade a consumir produtos à base de peixe, proporcionando, assim, um incentivo e bem-estar e nutrição das crianças.

*Ambos da Universidade Federal da Grande Dourados

Artigo apresentado nas sessões técnicas orais e posters da XVI FENACAM