Por Antônio Oliveira

A VLI Multimodal S/A, no Tocantins, braço de logística da Vale, desmentiu, desrespeitou seus clientes no Tocantins. E mentiu. Como noticiamos neste site, nesta terça-feira, 24 (clic aqui para ler a matéria), produtores de grãos, em fase de escoamento da produção para atender contratos, via ferrovia Norte-Sul até o Porto de Itaqui, em São Luís (MA), denunciaram à Cerrado Rural Agronegócios, que a empresa está atrasando muito as descargas em suas plataformas multimodal, principalmente, – e mais grave -, no terminal de Palmeirante, no norte do Estado.

Desmentiu, mentiu e foi desmentida.

Vista parcial da VLI em Palmeirante, no norte do Tocantins (Foto: VLI)

Nas primeiras horas da manhã desta quarta-feira, um transportador autônomo de grãos, do norte do Tocantins, entrou em contato com este veículo de comunicação, via WhatsApp,  para contestar a nota da VLI.

Conforme ele, que pediu anonimato, “o que a VLI fala é mentira e tenho como provar”. E provou nos enviando protocolos de agendamento de descarga.

– Às vezes a gente carrega e demora de dois a três dia para agendar a descarga – disse o transportador.

Ainda conforme ele, a VLI prioriza sua frota própria de caminhões em detrimento de seus clientes.

– Em Colinas (do Tocantins) tem o pátio de triagem (do terminal de Palmeirante), onde todos os caminhões deveriam adentrar com seu agendamento e aguardar sua vez até a chamada para o descarregamento – denuncia.

O empresário aponta ainda que a VLI possui em torno de 200 caminhões, que dispõem de pátio próprio, anexo ao pátio da empresa em Colinas.

– A VLI alega que os caminhões permanecem durante um tempo no pátio para irem descendo juntos com os caminhões de terceiros, que estão no pátio de triagem. Porém, nem sempre isto acontece. Geralmente os caminhões deles chegam e nem entram no pátio, passam direto para o terminal de descarregamento – reforça.

Ele sugere que nossa reportagem vá até a esses pátios e estacionamento de triagem para constatar o que denuncia.

– Basta ficar uma tarde observando na frente do pátio de triagem, que se vê os caminhões da VLI indo direto, enquanto outros (de clientes da VLI) esperam 10, 15, 20 ou até mais horas na fila. Os caminhões deles (da companhia) estão descarregando normalmente – frisou.

Cerrado Rural Agronegócio, evitando represálias ou qualquer outro tipo de perseguição a transportadores empresariais ou individuais, bem como produtores rurais, optou por não expor nesta matéria os “Comprovante de Viagem-TIPA” (agendamentos) enviados por esta fonte que nos denuncia contradição da VLI. Eles atestam o que denunciam a nossa fonte.

Este veículo está à disposição desta companhia de logística para novos esclarecimentos.

Nota do editor

Lamentável que um projeto idealizado e executado para ser a redenção dos setores produtivos do corredor centro-norte de exportação, concedida à terceiro, de forma questionável sob o ponto de vista do uso democrático do modal, se torne num pesadelo de seu público alvo original.

A VLI tem que repensar suas atitudes, sair da teoria de marketing e vestir a camisa de quem carrega a região de influência da Norte-Sul nas costas. Mais humildade, comunicação e respeito ao nosso contexto e a concessão pública que lhe fora feito.