SHARE

*Da Redação

(Foto: Ascom/BFS)
(Foto: Ascom/BFS)

A campanha “Sou de Algodão”, de iniciativa da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) e das associações da categoria nos estados, a exemplo da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) está sendo apresentada, mais uma vez, para os visitantes da Bahia Farm Show.

Estudantes conhecem o espaço do "Sou Algodão" (Foto: Ascom/BFS)
Estudantes conhecem o espaço do “Sou Algodão” (Foto: Ascom/BFS)

O espaço, montado pela Abapa, vem reforçando o incentivo do uso da fibra na indústria da moda, e consequentemente, pelos consumidores. Ao participar da solenidade da abertura da feira, na terça-feira, 5, o governador da Bahia, Rui Costa, fez uma visita ao espaço acompanhado do presidente da Abapa, Júlio Busato, e se mostrou um entusiasta da campanha criada pela Abrapa, que valoriza a produção da fibra sustentável produzida no Brasil.

Para Busato, a presença do “Sou de Algodão” dentro da feira demonstra a preocupação dos agricultores baianos em busca da sustentabilidade e da qualidade da fibra.

– Abraçamos a campanha para incentivar as pessoas a comprarem roupas e produtos com algodão brasileiro. Temos orgulho do que produzimos e sabemos da qualidade que tem reconhecimento internacional. Somos o segundo maior produtor de algodão da Bahia, e contribuímos com a geração de emprego, renda e desenvolvimento local – afirma.

Quem visita o espaço “Sou de Algodão”, durante a Bahia Farm Show, que se encontra ao lado da praça do Coreto, participa do sorteio de uma rede 100% algodão. Um dos primeiros sorteados foi o repentista Romeu Honório, que veio de Petrolina (PE), para levar a arte do “repente” para a Bahia Farm e para o espaço “Sou de Algodão”.

– Gostei desse espaço porque o algodão a gente veste, assim como vou usar essa rede quando voltar para casa.

Também marcaram presença com uma “parada” no espaço produtores, pesquisadores e estudantes que passaram pela feira agrícola, que se estende até sábado, 9.

Agricultores comemoram recuo do tabelamento de frete

Produtores debatem a problemática do preço de fretes de produtos agrícolas (Foto: Ascom/BFS)
Produtores debatem a problemática do preço de fretes de produtos agrícolas (Foto: Ascom/BFS)

Antes do anúncio do Ministério dos Transportes sobre a revogação da nova tabela com os preços mínimos dos fretes, ocorrido no fim da noite desta quinta-feira, 7, em Brasília, produtores e diretores de associações ligadas ao agronegócio na região oeste da Bahia participaram de um fórum, no estande do Sindicato de Produtores Rurais de Luís Eduardo Magalhães (SPRLEM), no complexo da Bahia Farm Show. O evento foi marcado pela preocupação da categoria em relação aos impactos negativos do tabelamento no setor agrícola.

– O impacto é muito grande. O que está acontecendo na prática é que o nosso frete para o porto de Salvador subiu mais de 40%, e o algodão que levamos para o nordeste subiu 45%, mesmo tendo o frete de retorno, pois sem isso o preço aumentaria ainda mais. Isso é inaceitável! – reagiu Júlio Cézar Busato, presidente da Associação Baiana de Produtores de Algodão (Abapa).
Embora o Governo tenha recuado, o assunto ainda causa preocupação entre os agricultores.

– Estamos vivendo uma espécie de ‘greve fria’, onde não há manifestações, nem protestos, após o tabelamento, mas simplesmente os fretes diminuíram por terem se tornado inviáveis. O tabelamento de preços, com o governo interferindo no livre mercado, foi uma estratégia que não deu certo nos anos 80 e afetou bastante a economia. Se a situação não se resolver definitivamente, isso pode impactar ainda mais, a longo prazo, o setor produtivo e levar o país a uma situação de desabastecimento – refletiu Luiz Pradella, vice-presidente da Associação de Agricultores Irrigantes da Bahia (Aiba).

– O País precisa valorizar o setor produtivo e dar condições para que os produtos do campo possam chegar até o comércio e os consumidores. O frete alto inviabiliza todo o processo produtivo, porque encarece o transporte de insumos, fertilizantes e o próprio produto final – reclamou Carminha Missio, presidente do SPRLEM.

Após a revogação da tabela de preços mínimos dos fretes, uma reunião foi marcada para esta sexta, 8, na sede da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), em Brasília, para que o governo e os caminhoneiros discutam os valores para a formulação de uma nova tabela. A CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) acompanha as negociações e não descarta ir à justiça caso haja um novo tabelamento que prejudique o setor.

Entrada gratuita em seu último dia

Neste sábado, 9, o público poderá conferir as atrações e inovações agrícolas expostas na Bahia Farm Show sem precisar pagar por isso. A partir das 13h a organização da maior feira agrícola do Norte e Nordeste brasileiro vai liberar a portaria, sem cobrança de ingresso. A ideia é oportunizar o acesso ao evento para um número maior de pessoas, porém, aquelas que optarem pelo pagamento da entrada para contribuir com o Ingresso Solidário, que destina 20% do valor para o Hospital do Oeste, terão esta opção.

A partir das 14 horas dest sábado, 9, a entrada à Feira será gratuito (Foto: Ascom/BFS)
A partir das 14 horas dest sábado, 9, a entrada à Feira será gratuito (Foto: Ascom/BFS)

A expectativa é que mais de 60 mil pessoas circulem durante os dias do evento para conferir a cartela de produtos oferecidos pelos expositores e acompanhar os debates técnicos.  Ainda nesta sexta-feira, 8, véspera do encerramento, o Leilão Bahia Farm Show reúne criadores das raças Nelore e animais cruzados das raças Aberdee Angus e Red Angus, a partir das 14h30min.

*Fonte: Ascom/BFS, com edição de Cerrado Rural Agronegócios

 

NO COMMENTS

LEAVE A REPLY