(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Da Redação*

Diante do surto de peste suína na China, a BRF diz que iniciou uma campanha interna para conscientizar seus funcionários sobre a importância do vazio sanitário – período que sucede em 72 horas qualquer viagem realizada ao exterior. Isso significa que, qualquer funcionário da empresa que tenha viajado para fora do Brasil, fica terminantemente proibido de ingressar nas propriedades mantidas pela companhia três dias após a viagem.

Com isso, a BRF segue alinhada às boas práticas definidas pelo Ministério da Agricultura para evitar a circulação de eventuais vírus provenientes de fora do Brasil, que é livre de diversas doenças e mantém políticas rígidas para se manter assim.

– A segurança e a qualidade são dois dos três compromissos inegociáveis da BRF e, por essa razão, iniciamos uma campanha interna para alertar os nossos funcionários sobre a importância de seguir à risca a nossa política interna de viagens – explica Neil Peixoto, diretor de qualidade, P&D e sustentabilidade.

Os funcionários que retornam do exterior e ficam submetidos ao vazio sanitário são orientados a fazer home office, já que a companhia disponibiliza ferramentas com essa finalidade.

– Mantemos operações fora do Brasil e, frequentemente, nossos executivos realizam viagens internacionais, por essa razão, precisamos nos manter em estado de alerta sempre, bem como oferecer ferramentas e tecnologia que suportem adequadamente as atividades dos nossos profissionais – complementa Neil.

Apesar de não apresentar riscos para a saúde humana, a Peste Suína é uma doença que afeta os porcos, causando alta mortalidade entre esses animais, grandes perdas de produtividade e barreiras no comércio internacional. O vírus da Peste Suína é altamente resistente ao ambiente e ao processamento, podendo estar presente em produtos de origem suína e nas roupas de quem visitou as áreas de risco. Desta forma, é mandatório na BRF cumprir o vazio sanitário, por ser uma das medidas de biosseguridade para garantir a saúde de toda cadeia produtiva, além de alguns cuidados especiais mencionados na campanha interna da empresa, entre eles:

– Caso viaje, a recomendação é não trazer produtos de origem suína para o país;

– Lavar roupas, mochilas, bolsas e sapatos utilizados na viagem;

– Não visitar estabelecimentos com porcos nas áreas afetadas;

– Higienizar celular, tablet, notebook e relógio com álcool gel ao retornar.

*Fonte: BRF, com edição de Cerrado Rural Agronegócios