SHARE
Estande do Tocantins recebeu visitas de produtores de todo o Brasil (Foto: Divulgação)

Por Antônio Oliveira

Para atrair investidores de diferentes ramos da economia do Estado, o Governo não pode ficar em gabinetes vendo o trem do progresso passar pela janela e parando em outras plagas, onde descarrega Reais e Dólares. É assim: quem quer corre atrás.

Vender o potencial de exploração econômica do Estado se faz é indo em feiras, congressos, ao encontro de empresários com disposição de investir em novos projetos ou na ampliação de seus negócios. Abrir a mala e “mostrar a cobra”. Isto no Brasil, como no resto do Planeta.

O ex-secretário do Desenvolvimento Econômico, Ciências, Tecnologias, Turismo e Cultura (Seden), Alexandre de Castro, que armou o meio de campo, e o atual, Dearley Kühn, que deu continuidade nessa jogada inteligente, marcando um “golaço”, estão de parabéns pela iniciativa em levar o potencial piscícola do Estado à Aquishow Brasil 2018, feira de piscicultura que ocorre anualmente no polo de produção de tilápia de Santa Fé do Sul, interior de São Paulo. No evento estavam produtores de peixes, principalmente de tilápia de todo o Brasil, muitos de olho em novas fronteiras para a piscicultura. E o Tocantins, sem sombra de dúvida, tem tudo para ser o novo eldorado da aquicultura no Brasil – basta que o Governo do Estado libere de vez o cultivo da exótica (não mais tão exótica assim, pois há anos, se adaptou às condições brasileiras). Aí, ninguém segura o crescimento da piscicultura acima do Paralelo 13.

A Aquabel América Latina, empresa brasileira adquirida recentemente por um grupo norueguês, com bastante experiência na produção de alevinos de tilápia, aproveitou a presença de representantes do Governo, produtores de peixe e demais lideranças da área do Tocantins, para reafirmar seus investimentos da ordem de R$ 7 milhões num projeto de produção de alevinos de tilápia na região central do Estado.

Segundo o diretor executivo da Aquabel, Ricardo Neukirchner, a tilápia no Tocantins será um divisor de águas na história da piscicultura do Estado. Ele diz que não só sua empresa, mas várias outras têm planos de se instalar no Estado, com investimentos que somam mais de R$ 100 milhões.

A Seden, otimista com os resultados da participação do Tocantins na feira paulista de piscicultura, disse que esta foi uma oportunidade de mostrar as potencialidades e oportunidades que o Tocantins têm dentro do contexto da piscicultura.

Presente ao evento, o ex-chefe geral da Embrapa Pesca e Aquicultura (Palmas-TO), Carlos Magno, disse que há, ao menos três desafios a serem superados, de imediato, pelo Tocantins para que ele desenvolva plenamente a sua piscicultura: conscientização da classe política de que a piscicultura deve ser priorizada; modernizar a legislação ambiental promovendo a simplificação, sendo altodeclaratória, de responsabilidade do declarante, e pôr em prática os planos de desenvolvimento que já existem.

Clima, água de qualidade e em abundância, localização estratégica e bom logística, inclusive cm um aeroporto de carga, o Tocantins tem. Falta, porém – há porém – o Governo tirar os pés do chão, pisar n´água e jogar a rede.

PISCISHOW  2018

As atenções, a partir de agora não só Tocantins, como em várias partes do Brasil, estão voltadas para PISCISHOW 2018, feira similar a Aquishow, cuja terceira edição ocorre entre os dias 21 e 23 de novembro, em Palmas, capital do Tocantins.

NO COMMENTS

LEAVE A REPLY