SHARE
Reunião de posse dos eleitos do Conselho Estadual de Economia Solidária (CEES) (Foto: Ascom/Seagro)
Reunião de posse dos eleitos do Conselho Estadual de Economia Solidária (CEES) (Foto: Ascom/Seagro)

Da Redação*

Francisca Marta Barbosa, uma das mais antigas funcionárias da Secretaria de Agricultura do Tocantins, foi eleita nesta terça-feira, 18, para presidir o Conselho Estadual de Economia Solidária (CEES) até 2019. Ela é Diretora de Tecnologias Sociais e Sociobiodiversidade da Secretaria.

A reunião do Conselho foi realizada na Secretaria do Trabalho e Ação Social (Setas), quando tomaram posse também os conselheiros das instituições governamentais e não governamentais. Para vice-presidência do Conselho foi eleito, o professor da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Édi Benini.

O secretário da Seagro, Thiago Dourado, congratulou a posse da presidente falando da importância socioeconômica da entidade para o Tocantins.

– É de suma importância reforçar este setor da economia, pois são empreendimentos que impulsiona o desenvolvimento do Estado, e a intenção do Conselho é, justamente, promover o incentivo das políticas públicas para este segmento –  argumentou.

Ao tomar posse do Conselho, a presidente Francisca Marta Barbosa, ressaltou sobre as diretrizes a serem desenvolvidas frente à entidade.

– É fundamental fortalecer e debater as políticas públicas voltadas para os empreendimentos solidários no Tocantins, incorporando a autogestão cooperativa, vendo a economia solidária não somente como geradora de emprego, mas também como uma política de desenvolvimento – ressaltou.

Projeto

A Seagro e a UFT já desenvolvem o projeto Raio de Sol, na comunidade Barra da Aroeira, município de Santa Tereza do Tocantins. O projeto visa à implantação de produção agroecológica, casa de farinha, entre outros benefícios para comunidade, na perspectiva da economia solidária.

Economia Solidária

A economia solidária é uma maneira de organizar as atividades econômicas de determinado lugar. Em vez da liberdade absoluta pregada pelo capitalismo de mercado, as associações são feitas de maneira mais padronizada, buscando diminuir a desigualdade de ganhos.

*Fonte: Ascom/Seagro, com edição de Cerrado Rural Agronegócios

NO COMMENTS

LEAVE A REPLY