Da Redação*

Durante toda a manhã desta segunda-feira, 18, uma equipe técnica da Prefeitura de Palmas, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Rural (Seder), realizou atendimento aos agricultores familiares residentes em parte da área da Serra do Lajeado, para a elaboração de projetos produtivos. Esse procedimento é um importante instrumento para o levantamento das necessidades dessas famílias e planejamento para o atendimento que será feito pela Seder.

Josélia Duarte, agricultora beneficiária (Foto: Fernanda Mendonça)

Ao todo, 25 projetos produtivos foram elaborados especificamente para o recebimento do serviço de gradagem do solo, feito por um trator. O momento também foi de tirar dúvidas de algumas famílias, sobre a assistência técnica fornecida pela Seder, como será o atendimento, além de particularidades sobre o cultivo de algumas culturas, como da mandioca e milho.

Conforme o diretor de assistência técnica da Seder, Bonfim dos Reis, o trabalho contemplará a gradagem de um hectare por produtor, que subsidiará o cultivo de mandioca, milho, feijão, arroz, dentre outros alimentos, em sua maioria para consumo das próprias famílias.

– A expectativa é de que tudo esteja pronto para o plantio até o dia 5 dezembro – explica.

Josélia Bernardo Duarte, 61 anos, acordou cedo para ser a primeira da fila e garantir o recebimento do benefício.

– Em uma área de um hectare farei o plantio de mandioca, e prepararei o solo com trator, é necessário, pois não tenho como arcar de forma particular. Será o segundo ano que receberei a assistência da Seder para auxiliar minha produção –  diz Josélia ao acrescentar que todo o alimento que tira da terra é destinado à sua família.

O presidente da Associação Familiar Novo Progresso, Antônio Nuniz de Sousa, 60 anos, declara que as famílias da região da Serra do Lajeado estão satisfeitas com o benefício, e ansiosos para o início do plantio.

– Mesmo com o atraso da chuva, ainda conseguiremos bons resultados em nossas pequenas lavouras – declara ao lembrar que em 2017 houve a distribuição de calcário para o solo e a gradagem das propriedades de 42 pessoas.

– A hora trabalhada de um trator que faz esse serviço sai em média R$ 150. Valor inviável para nós, e pela secretaria temos de forma gratuita –  enaltece.

Desde criança é da terra que Domingos Carvalho dos Santos, hoje com 52 anos, tira seu sustento. Já são seis anos que cultiva diversos alimentos em sua pequena propriedade na Serra do Lajeado: açai, mandioca, cupuaçu, milho, feijão, banana e caju.

 – Vendo banana para as pessoas próximas e o restante atende a demanda da minha esposa, filhos e netos. O trabalho na roça é bastante cansativo e qualquer ajuda é bem-vinda. Agora é só esperar o trator preparar a minha terra e começar a plantar novamente – declara.

Ainda de acordo com Reis, quem não compareceu ao evento desta manhã deverá ir a sede da Secretaria, localizada na Avenida LO-17, próximo a Rodoviária de Palmas, para elaborar o projeto produtivo e solicitar o atendimento específico.

*Fonte: Secom/Palmas, com edição de Cerrado Rural Agronegócios