Os abates eram feitos em currais abertos, sem nenhuma condição higiênico-sanitária
Os abates eram feitos em currais abertos, sem nenhuma condição higiênico-sanitária

Na sexta-feira, 20 de outubro, a Agência de Defesa Agropecuária do Tocantins (Adapec), por meio da equipe do Serviço de Inspeção Estadual (SIE) e a Polícia Militar Ambiental realizaram ações de fiscalizações e combate ao abate clandestino de animais, no município de Barrolândia, a 105 quilômetros da capital, onde foram identificados dois locais clandestinos de abate bovino sem registro no serviço de inspeção oficial e fora das normas higiênica-sanitárias.

Em um dos matadouros, a equipe apreendeu 660 quilos de carne imprópria para o consumo que foi encaminhado para o aterro sanitário de Palmas, os locais foram interditados e os dois proprietários foram autuados em R$ 5 mil reais pela Adapec e mais R$ 50 mil cada um, pela PM Ambiental por irregularidades ambientais.

O escoamento de sangue era feito diretamente no solo
O escoamento de sangue era feito diretamente no solo

Em um dos locais foi encontrado um número muito grande de carcaças de animais que tinham sido deixadas no local após o abate. No outro matadouro clandestino foi feito um flagrante de abate e

apreendidas quatro carcaças de bovinos. Eram abatidos em média de 2 a 3 animais por dia e a carne era comercializada no comércio local e na região.

Os ambientes não possuíam estruturas adequadas, os abates eram feitos em currais abertos, sem nenhuma condição higiênico-sanitária, com a presença de aves, vísceras em contato com o chão, carne totalmente exposta, escoamento de sangue diretamente no solo, entre outras irregularidades.

De acordo com o inspetor de defesa agropecuária da Adapec-TO, Dwany de Souza Carvalho, a operação aconteceu após registro de uma denúncia anônima por meio do disque-defesa da Agência.

Estamos intensificando este tipo de operação para coibirmos o abate clandestino que coloca em risco a saúde pública – alertou o inspetor.

O presidente da Adapec, Humberto Camelo disse que o combate ao abate clandestino de animais no estado do Tocantins é fundamental para garantir que os consumidores tenham acesso a produtos cárneos oriundos de estabelecimentos devidamente registrados no serviço oficial de inspeção.

Da Ascom/Adapec-TO, com edição de Cerrado Rural Agronegócios