*Da Redação

Para o comentarista Glauber Silveira, do Canal Rural,  se portos paralisassem atividades, Brasil ainda teria alimentos por quatro anos.  Ele pondera que com queda na arrecadação, setor poderia ter aumento de imposto

Glauber Silveira, comentarista do Canal Rural (Foto: Canal Rural)

Glauber opina ainda que, apesar do coronavírus afetar a economia do Brasil e consequentemente do agronegócio, o avanço da doença no país pode tornar o setor produtivo mais visível e melhorar a percepção da população sobre a agropecuária.

Ainda de acordo com o seu pensamento,  o Brasil possui atualmente um superávit de alimentos e mesmo que os portos fiquem paralisados, o país não precisará importar comida.

– Temos alimentos aqui para sobreviver por quatro anos. Veja a importância daquilo que já está colhido, temos milho, uma soja estocada, safra para ser retirada – comenta.

Entretanto, comenta que como o setor está se beneficiando com a recente alta do dólar, há uma possibilidade de a agropecuária chamar a atenção do governo para um possível aumento de impostos.

– Eu vejo o pessoal aqui dizendo que o agro está aumentando a rentabilidade, com soja a R$ 100 no Paraná, por exemplo, e o milho bem alto. Isso gera em Brasília um sentimento de que o agronegócio está ganhando demais e de que alguém teria que pagar a conta [dos impactos do coronavírus]. Muita gente vai parar, vai faltar dinheiro e a arrecadação vai cair. Com isso, o governo pode olhar para esse agro e o setor pode ter que pagar – afirma.

*Material produzido pelo Canal Rural, com edição de Cerrado Rural Agronegócios