SHARE
Toda área destinada ao algodão já foi semeada (Foto: CDI/Cerrado Rural Agronegócios)
Toda área destinada ao algodão já foi semeada (Foto: CDI/Cerrado Rural Agronegócios)

Da Redação*

Os cotonicultores do oeste da Bahia estão bastante otimista com a safra 2018/2029 da fibra na região, mesmo com o veranico que atingiu o Cerrado baiano em Janeiro. Depois de duas safras de algodão que atingiu produtividade média de 320 arrobas/hectare, a Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) acredita que a produção baiana registrará uma nova safra recorde. Com 100% do algodão baiano semeado, a entidade manteve a estimativa de incremento de 26,5% da área plantada na safra agrícola 2018/2019, em relação ao último período, contabilizando 332 mil hectares em toda a Bahia. O estado é considerado o segundo maior produtor de algodão do Brasil.

– Por ainda estar em seu estágio inicial e por ser mais resistente, acreditamos que não houve perdas e a cultura ainda pode exercer todo o seu potencial produtivo. As lavouras estão bem formadas em excelente condição. Caso a previsão de chuvas se mantenha, teremos um terceiro consecutivo com uma ótima safra – afirma o presidente da Abapa, Júlio Busato.

Conforme ele, os cotonicultores baianos “estão de parabéns pela forma como estão conduzindo as suas lavouras”,  utilizando o que há de mais moderno em tecnologias e insumos.

A previsão é que as máquinas estejam em operação para a colheita a partir do mês de junho.  A estimativa é um crescimento da produção de 15%, com 1,5 milhão de toneladas de caroço e pluma. Como nas duas últimas safras, os agricultores esperam novamente o encontro entre a produção – que vem atingindo a média de 320 arrobas/hectare – e o preço pago pela commodity no mercado, garantindo melhor rentabilidade ao produtor.

– O mercado internacional, pelo terceiro ano consecutivo, vem consumindo mais algodão do que o mundo produz. Isso é muito importante para o Brasil, que hoje já é o segundo maior exportador de algodão do mundo – afirma Busato.

Fonte: Ascom/Abapa, com edição de Cerrado Rural Agronegócios

 

NO COMMENTS

LEAVE A REPLY