Tocantins cresce 25% na produção de carnes para o mercado intraestadual (Fotos: Lenito Abreu)
Tocantins cresce 25% na produção de carnes para o mercado intraestadual (Fotos: Lenito Abreu)

De acordo com a Agência de Defesa Agropecuária do Tocantins (Adapec-TO), os frigoríficos registrados no Serviço de Inspeção Estadual (SIE), que comercializam dentro do Estado, tiveram um crescimento de 25% na produção de carnes com 12,2 mil toneladas em 2017, em comparação com 2016 que foi de 9,7 mil toneladas produzidas. Os produtos embutidos (linguiça, presunto, apresuntado fatiado e bacon) tiveram um crescimento de 38% gerando 724 toneladas, sendo que em 2016 foram 521 toneladas. O número de bovinos abatidos cresceu 20%, passando de 53.484 em 2016, para 64.541 animais em 2017.

Para executar a fiscalização nesses estabelecimentos, a Adapec dispõe de 25 médicos veterinários e 12 auxiliares, em frigoríficos a inspeção é feita de forma permanente e em entrepostos e laticínios é periódica, realizada duas vezes na semana.

– Os resultados demonstram que o Tocantins tem atraído novos investidores, pois em 2017 passamos de três para cinco frigoríficos registrados no SIE, é a economia se fortalecendo e mais oportunidades de negócios – destaca o presidente da Adapec, Humberto Camelo.

Atualmente, são 24 empresas certificadas pelo SIE em todo o Tocantins, destas 13 são estabelecimentos que comercializam leite e derivados, 5 entrepostos de produtos cárneos e um de mel, mais 5 frigoríficos.

– Nossa missão é resguardar a saúde pública, por isso temos uma equipe de servidores acompanhando todo o processamento desses produtos, desde a matéria-prima, preparo, acondicionamento, transporte, entre outros, para garantir que cheguem à mesa do consumidor com qualidade higiênico-sanitária e tecnológica – disse a gerente de inspeção animal da Adapec-TO, Joseanne Cademartori Lins.

Neste contexto, segundo a Adapec, cabe ainda a Agência orientação processual aos interessados em obter registro no SIE/TO; vistorias em terrenos, estabelecimentos pré-existentes e em construção; análise e aprovação de projetos industriais;  registro de estabelecimentos de produtos de origem animal; registro de  rótulos e produtos; ações cautelares de interdição, suspensão, apreensão, e destruição de produtos impróprios para o consumo. Além disso, ações de combate à clandestinidade, com fiscalização do trânsito de produtos de origem animal, comestíveis e não comestíveis.

Da Ascom/Adapec-TO, com edição de Cerrado Rural Agronegócios