BALANÇA
Balança comercial do agro: soja em grão teve alta de 20% no primeiro semestre deste ano, em comparação a igual período de 2016 (Foto: Divulgação)
A balança comercial brasileira no primeiro semestre teve o melhor desempenho em 29 anos, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), nesta segunda-feira, 4. Conforme o órgão, o superávit, que é a diferença entre as exportações e importações, obteve um saldo de US$ 36,2 bilhões no período.
As vendas externas somaram, de janeiro a junho de 2017, US$ 107,7 bilhões; e as compras internas totalizaram US$ 71,5 bilhões. Segundo o Ministério, houve um salto de 53,1% em comparação aos seis primeiros meses do ano passado. No acumulado de 12 meses, os resultados também são favoráveis: balança positiva em US$ 60,2 bilhões.
No primeiro semestre deste ano, em relação ao de 2016, os três grupos de produtos vendidos lá fora tiveram um incremento importante: os básicos cresceram, chegando à marca de US$ 52,458 bilhões; os semimanufaturados subiram 17,5% (US$ 15,052 bilhões); e os manufaturados registraram um aumento de 10,1% (US$ 37,667 bilhões).
MAIS VENDIDOS
Com relação à exportação de produtos básicos, houve um crescimento de receita de petróleo em bruto (alta de 128,2%), minério de ferro (+82,7%), carne suína (+29%), soja em grão (+20%), minério de cobre (+19,9%), café em grão (+9,0%) e carne de frango (+7,3%).
Para o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, o superávit recorde, obtido na balança comercial no primeiro semestre, está diretamente vinculado às exportações de commodities, em especial do agronegócio, representado pelo complexo soja, açúcar, carnes e café.
 – O ano de 2017 será mais um ano em que o campo será a salvação da lavoura no comércio exterior brasileiro, independente da taxa cambial vigente. Isso porque, para o agro, a taxa de câmbio é apenas um fator de rentabilidade, pois sua elevada competitividade garante a presença do Brasil no mercado internacional – esclareceu Castro, em entrevista à equipe SNA/RJ.
CONTA-PETRÓLEO
Vice-presidente da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA), Hélio Sirimarco concorda e acrescenta que, além da soja, açúcar, café, carnes, celulose e minério, principais produtos da pauta de exportação, a surpresa foi a conta-petróleo, normalmente deficitária, que contribuiu para o resultado positivo recorde da balança comercial no primeiro semestre.
Dados do MDIC apontam que, de janeiro a junho deste ano, o Brasil teve um saldo positivo de US$ 3,334 bilhões no conjunto de operações com petróleo e derivados, conhecido como conta-petróleo. No mesmo período de 2016, o desempenho foi ruim, ao registrar um déficit de US$ 957 milhões.
SOJA
De acordo com Sirimarco, salienta-se que, no primeiro semestre deste ano, as vendas externas do país relacionadas à soja, commodity do agronegócio mais comercializada no exterior, totalizaram 45,5 milhões de toneladas.
– Esse é o maior volume já registrado, em um primeiro semestre, desde o início das exportações da soja pelo Brasil – ressalta o vice-presidente da SNA.
Da Ascom/SNA, com edição de Cerrado Rural