Situação do trecho entre a divisa do TO/BA e Novo Jardim (TO)m (Foto: Antônio Oliveira/Cerrado Rural Agronegócios)
Situação do trecho entre a divisa do TO/BA e Novo Jardim (TO)m (Foto: Antônio Oliveira/Cerrado Rural Agronegócios)

Por Antônio Oliveira

As rodovias que ligam Palmas, na região central do Tocantins, a Barreiras, portal de acesso ao Nordeste brasileiro e que se constituem num dos principais eixos rodoviários do Tocantins, já foram consideradas, após levantamento, no ano passado, da Confederação Nacional do Transporte, o pior trecho rodoviário do Brasil. Já estamos em 2019 e a situação é bem pior. O trecho, de 570 quilômetros, é formado pelas rodovias BR-010, TO-050, BR-010, TO-280, TO-040, BRA 460 e BR- 242, e é um dos principais corredores de escoamento da produção rural dos dois estados.

Mais uma vez, Cerrado Rural Agronegócios, fez este percurso, na semana passada e mostra a atual situação:

Palmas/Porto Nacional, em boas condições;

Porto Nacional a Silvanópolis, péssimas condições, muitos buracos na pista, risco de morte, principalmente para quem viaja a noite;

Silvanópolis a Dianópolis, regular, com alguns buracos;

Dianópolis a Divisa com o estado da Bahia, em péssimas condições, muitos buracos durante todo o percurso e estreitamento de pista;

Divisa a Placas (pouco menos de 10 km), péssimo, muitas vezes fazendo com o que motorista prefira pegar a estrada de chão entre a plantação de grãos e o asfalto detonado;

Placas (a partir de 500 metros após o posto de combustível e os restaurantes), até Luís Eduardo Magalhães, excelente. Asfalto novo, sinalizado, embora sem acostamento (típico das rodovias construídas pelo lendário Antônio Carlos Magalhães, finado cacique baiano).

Luiz Eduardo Magalhães a Barreiras, excelente, confiável, embora tenha o pesado tráfego de carretas e ônibus.

Grande parte dos percursos de 570 quilômetros está assim (Foto: Antônio Oliveira/Cerrado Rural Agronegócios)
Grande parte dos percursos de 570 quilômetros está assim (Foto: Antônio Oliveira/Cerrado Rural Agronegócios)

Tocantins

O governo deste estado havia anunciado, para a partir deste 15 de abril, o início de uma operação de recuperação das rodovias que cortam o estado. Mas, hoje, por meio de sua secretaria de Comunicação Social, anunciou que “a grande quantidade de chuvas que caiu no Tocantins nos últimos dias motivou o adiamento da força-tarefa de restabelecimento da malha viária tocantinense”.

Os trabalhos, ainda conforme o governo,  estavam previstos para iniciar nesta segunda-feira, 15, mas devido às condições climáticas, tiveram que ser adiados por 10 dias.

– Todo o processo de manutenção das vias, como tapa-buracos, roçagem e terraplenagem, necessita de tempo seco para  garantia da eficiência – explicou o presidente da Agência Tocantinense de Transportes e Obras (Ageto), Virgílio Azevedo.

Conforme o professor e meteorologista, José Luiz Cabral Júnior, do Núcleo Estadual de Meteorologia e Recursos Hídricos (Nemet/RH), da Universidade Estadual do Tocantins (Unitins), a semana do dia 15 ao dia 21 terá grande incidência de chuvas.

– Abril é um mês de transição entre o período chuvoso e o período de estiagem, mas a previsão é de que continue chovendo nos próximos dias – disse ele.

Segundo o secretário Estadual da Infraestrutura, Cidades e Habitação, Renato Assunção, a decisão de adiar o início da força-tarefa tem como objetivo garantir a economicidade dos recursos públicos.

– Nós sabemos que se começarmos a atuar em dias chuvosos teremos que realizar um resserviço no futuro – explicou.

Força-Tarefa
A força-tarefa será realizada com objetivo de restabelecer a malha viária do Tocantins. Os serviços serão executados pelas equipes das sete Residências Rodoviárias da Ageto, localizadas nas cidades de Tocantinópolis, Araguaína, Guaraí, Paraíso, Porto Nacional, Gurupi e Dianópolis.

Terão prioridade as rodovias que concentram maior tráfego, as que têm papel primordial no escoamento da produção do Estado e aquelas localizadas nos arredores das maiores cidades do Tocantins.  A intenção é de em 60 dias beneficiar todas as rodovias.

*Com informações da Secom/Governo do Tocantins