Uso de agentes de controle biológico e promotores de crescimento de plantas em arroz de terras altas

*Por Daniel de Brito Fragoso e Daniel Pettersen Custódio

O uso dos agentes de controle biológico cresce em importância, com boas perspectivas para o seu emprego, tanto na forma natural, como por meio do controle biológico aplicado. Trichoderma spp. são fungos de vida livre e interativos nas raízes das plantas e no solo e, por isso, têm despertado o interesse da pesquisa.

97e5e88938b0019c444e80156b4475f5
Formulação – agentes de controle biológico inoculados em sementes de milheto esterilizadas. (Foto: Daniel Fragoso)

Além de tricoderma, outras espécies de fungos, como Paecilomyces spp., têm se mostrado efetivos no controle biológico de nematoides. Portanto, o objetivo do presente trabalho foi avaliar a resposta quanto ao uso desses fungos de solo sobre a produtividade de arroz de terras altas.

O experimento foi realizado na Estação de Pesquisa ALX Farias Agro Pesquisa Agropecuária do Cerrado Ltda., situada nas coordenadas 10º28’25” S e 48º20’34”, no município de Porto Nacional, estado do Tocantins.

O delineamento experimental foi o de blocos ao acaso, constituído de cinco tratamentos (Mix 2 kg/ha; Mix 4 kg/ha; Plus 2 kg/ha; Plus 4 kg/ha; e testemunha) com três repetições. Os tratamentos Tricoderma Mix eram constituídos da mistura de Trichoderma asperellum TO 201 + Paecilomyces lilacinus e Tricoderma Plus com apenas Trichoderma asperellum TO 201, linhagem produzida de isolados do Tocantins, e foram fornecidos pela Empresa JCO Indústria e Comércio de Fertilizantes Ltda.

A aplicação foi realizada nas linhas de plantio, pela mistura da formulação com as sementes de arroz. O tamanho de cada parcela foi de 50 m2 (5,0 x 10,0 m).

98cf3-nova-imagem-1
Área do experimento no período da colheita. (Foto: Daniel Fragoso)

A cultivar usada no experimento foi a BRS Primavera. O plantio foi realizado no dia 27/01/2015, com espaçamento entre fileiras de 30 cm e 70 sementes por metro.

A adubação de plantio foi de 400 kg/ha da formulação 00-30-10. Na adubação de cobertura, foram utilizados 150 kg/ha de ureia. Foi feita uma aplicação do herbicida pós-emergente Ally na dosagem de 5gr/ha aos 25 dias após o plantio.

Os parâmetros avaliados foram contagem do número de perfilhos e cálculo da produtividade, por meio da colheita de uma área útil de 2,0 m2 de cada parcela dos tratamentos. Os dados foram tabulados e submetidos à análise de variância e as médias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade.

Os resultados encontram-se resumidos na Tabela 1, onde se observam respostas significativamente diferentes para perfilhamento e produtividade. Todos os tratamentos a base de agentes de controle biológico diferiram significativamente da testemunha para os parâmetros número de perfilhos e produtividade, sendo que a melhor resposta encontrada foi para o tratamento Tricoderma Plus dose de 4 kg/ha, que apresentou maior média de perfilhamento (560 perfilhos) e consequentemente maior produtividade (6.611 kg/ha).

tabela1

As respostas diferenciadas para um maior número de perfilhos em plantas de arroz e consequentemente maior produtividade podem ser atribuídas à interação entre plantas de arroz e o fungo Trichoderma asperullum TO 201.

Trichoderma spp. são capazes de interagir com plantas de arroz e produzir proteases, sideróforos e ácido indol acético (AIA), substâncias que podem contribuir tanto no processo de promoção de crescimento das plantas, quanto no controle de fitopatógenos.

Todos os tratamentos a base de Trichoderma asperellum TO 201 isoladamente e em mistura com Paecilomyces lilacinus apresentaram efeitos positivos para maior número de perfilhos e maiores produtividades, com destaque para o tratamento de 4 kg/ha do Tricoderma Plus.

*Daniel de Brito Fragoso, Engenheiro Agrônomo, Doutor em Entomologia Embrapa Arroz e Feijão/Pesca e Aquicultura,  daniel.fragoso@embrapa.br

*Daniel Pettersen Custódio, Engenheiro Agrônomo Embrapa Arroz e Feijão/Pesca e Aquicultura daniel.custodio@embrapa.br