Em dez hectares de terra, o produtor Emivaldo Luiz de Queiroz, retira todo sustento da família (Foto:  Lúcia Brito)
Em dez hectares de terra, o produtor Emivaldo Luiz de Queiroz, retira todo sustento da família (Foto: Lúcia Brito)

Da Redação*

Em dez hectares de terra, o produtor Emivaldo Luiz de Queiroz, retira todo sustento da família, tendo como principal atividade a criação de gado leiteiro. No sítio, localizado na zona rural de Palmas, tem 21 vacas que produzem em média 200 litros de leite por dia, que são processados na pequena agroindústria familiar de queijo frescal, instalada na propriedade. A produção chega a 80 queijos diários, comercializados no mercado local. Uma realidade bem diferente de há dois anos, quando, segundo o produtor, enfrentava sérias dificuldades financeiras e produtivas.

– Por falta de investimento adequado e conhecimento quanto à alimentação animal, a produtividade do rebanho, na época, não estava boa, chegando a 15 litros de leite/dia. Precisava melhorar isso ou não sobreviveria. Então procurei o escritório local do Ruraltins [Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins], em Palmas, e posso dizer que foi o meu recomeço – disse.

Ainda conforme ele, seguindo as recomendações técnicas do órgão, conseguiu se adequar às normas legais de produção, colocando a documentação da propriedade em dia, e conseguindo um financiamento, Pronaf  [Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar].

–  E venho aos poucos me organizando, procurando me aperfeiçoar para intensificar a produção. A minha meta é chegar a 500 litros de leite/dia, pois quero ampliar a oferta de produtos no mercado, além do queijo, vamos processar também a manteiga batida e a de garrafa – diz confiante.

A médica veterinária do Ruraltins, Patrícia Magalhães de Oliveira, responsável pelo atendimento ao produtor, explica que com os recursos do Pronaf o produtor montou um galpão para a criação do gado, adquiriu 15 matrizes bovinas com aptidão leiteira e renovou a pastagem.

– Quando o agricultor nos procurou, realizamos um planejamento de trabalho e diagnóstico do sítio. Diante disso, providenciamos a Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP), documento que dá direito aos agricultores de terem acesso às políticas públicas. Em seguida elaboramos um projeto de crédito rural para a linha Pronaf Mais Alimentos, o qual foi aprovado. Daí em diante o produtor foi evoluindo e se qualificando. Esse é nosso papel, em todo Estado, proporcionar mudanças de atitudes e dando todo apoio ao desenvolvimento do agricultor, com visitas e orientações – disse.

Toda produção tem o Selo de Inspeção Municipal  (Foto: Lúcia Brito)
Toda produção tem o Selo de Inspeção Municipal (Foto: Lúcia Brito)

Crédito rural

Assim como o agricultor Emivaldo Luiz de Queiroz, milhares de outros agricultores são beneficiados pelo crédito rural. Por meio das ações dos extensionistas, o Ruraltins disponibilizou, em 2018, via agências bancárias , mais de R$ 50 milhões aos agricultores familiares, sendo o Pronaf, a linha de crédito mais acessada.  Os recursos são aplicados pelos agricultores em reforma da pastagem, infraestrutura rural, aquisição de matrizes leiteiras/corte, tratores, máquinas e outros equipamentos indispensáveis às atividades desenvolvidas pelo homem do campo.

*Fonte: Ascom Ruraltins/Lúcia Brito, com edição de Cerrado Rural Agronegócios