SHARE
o etanol hidratado como combustível para veículos, serve ainda de matéria-prima para a fabricação de perfumes, materiais de limpeza, solventes e tintas
O etanol hidratado, que é utilizado como combustível para veículos, serve ainda de matéria-prima para a fabricação de perfumes, materiais de limpeza, solventes e tintas

O Brasil mostra seu pioneirismo no setor de biocombustíveis com iniciativa inovadora na indústria mundial, a produção de etanol hidratado a partir da soja. O investimento previsto é de R$ 115 milhões que serão destinados ao processamento de etanol e lecitina de melaço de soja em um complexo industrial em Sorriso, no Mato Grosso.

O projeto, direcionado à venda no mercado interno, está sendo desenvolvido pela Caramuru – empresa de capital nacional que atua no processamento de grãos e na produção de biodiesel.

– A unidade terá capacidade anual de 6,8 milhões de litros de etanol hidratado e três mil toneladas de lecitina – afirma o vice-presidente da empresa, César Borges de Sousa.

Segundo Sousa, o objetivo é agregar valor à produção, mas, ao mesmo tempo, o investimento abre oportunidades de negócios para o produtor do Mato Grosso.

César Borges de Sousa, vice-presidente da Caramuru, afirma que o novo etanol vai agregar valor à produção e abrir novas oportunidades para o produtor em Mato Grosso
César Borges de Sousa, vice-presidente da Caramuru, afirma que o novo etanol vai agregar valor à produção e abrir novas oportunidades para o produtor em Mato Grosso

UTILIZAÇÃO

Sousa explica que o etanol hidratado, além de ser usado, em sua forma pura, como combustível para todos os veículos, serve ainda de matéria-prima industrial para a fabricação de perfumes, materiais de limpeza, solventes e tintas.

Já a lecitina de soja é aplicada em vários segmentos, como chocolates, margarinas, sorvetes, biscoitos, pães e massas, produtos instantâneos, doces e molhos, além de ser utilizada na fabricação de produtos dietéticos, farmacêuticos e também em cosméticos.

EFICIÊNCIA

O vice-presidente da Caramuru garante que todo o potencial da matéria-prima soja será aproveitado com alta eficiência energética na nova planta do complexo industrial, reduzindo, dessa forma, os impactos ambientais.

– Ao processar a soja, serão produzidos simultaneamente energia elétrica (cogeração), biodiesel e etanol hidratado. O investimento na nova planta também está inserido em um processo de inovação que permite a produção simultânea de SPC (proteína concentrada de soja), lecitina e etanol – explica Sousa.

Ele afirma que a ampliação do complexo industrial da Caramuru em Sorriso irá gerar 60 novos empregos diretos e 200 indiretos para a região.

FINANCIAMENTO

A primeira parcela de financiamento dessa produção já foi liberada pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). Inicialmente serão R$ 40 milhões, de um total de R$ 69 milhões aprovados para longo prazo. O investimento restante ficará a cargo da própria empresa, por intermédio de recursos próprios e da captação em bancos.

Da Ascom/SNA, com edição de Cerrado Rural Agronegócios

NO COMMENTS

LEAVE A REPLY