Da Embrapa*

Acontece nesta terça-feira, 3, e quarta-feira, 4,  workshop do projeto Sistema de Inteligência Territorial Estratégica (Site) da Aquicultura. Coordenado pela Embrapa Pesca e Aquicultura (Palmas-TO), envolve diversas outras Unidades da empresa; entre elas, a Embrapa Territorial (Campinas-SP), que sediará o evento.

A coordenadora técnica do Site Aquicultura, Marta Ummus, conta que neste ano foram levantados dados sobre a atividade.

– Em 2019 foi levantada uma gama de informações sobre a aquicultura brasileira, tais como localização de entrepostos de pescado, fábrica de ração para peixes, instituições de ensino voltadas a aquicultura, laboratórios de formas jovens, fornecedores de equipamento para aquicultura, legislação sobre pesca e aquicultura, licenciamento ambiental e mapeamento de viveiros escavados. Trata-se de uma base de dados espaciais inédita para a cadeia produtiva da aqüicultura – explica.

Agora, é hora de programar 2020, incluindo fechar novas parcerias. Uma dessas possibilidades é com a Secretaria de Aquicultura e Pesca (SAP), órgão ligado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) responsável pela elaboração de políticas públicas para o setor. Anderson Antonello, da secretaria, vai apresentar o Sistema de Informações Gerenciais da Aquicultura (SIGAq) e outros projetos, sistemas e bancos de dados.

(Foto: Embrapa)

Outra possibilidade de parceria é com dois portfólios que a Embrapa mantém: de Geotecnologias; e de Aquicultura. Portfólios são maneiras que a empresa usa para organizar pesquisas sobre determinados temas. Estarão presentes no workshop em Campinas Márcia Dompieri e Ricardo Borghesi, respectivamente gestores dos dois portfólios e pesquisadores da Embrapa Territorial e da Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados-MS).

De acordo com Eric, chefe-adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Pesca e Aquicultura, “a integração de esforços entre os portfólios da Embrapa considerando suas sinergias é estratégica para aumentarmos a nossa capacidade de resposta, unindo expertises para dar suporte às políticas públicas, no caso no desenvolvimento e ordenamento da aquicultura, que tem a Secretaria de Aquicultura e Pesca do ministério como responsável. Nesse sentido, atendemos à expectativa do Mapa na medida em que atendemos uma necessidade do governo para dar suporte consistente às políticas da aquicultura”.

Resultados iniciais e projeção para 2020

O Site Aquicultura começou em 2019 e vai durar três anos. Eric aponta que o projeto “está propiciando não só levantamento de um conjunto de informações que historicamente sempre estiveram dispersas nessa área, mas também a sua organização em um banco de dados que alinhada a ferramentas de geotecnologias irá propiciar o ordenamento e a segurança necessários para o desenvolvimento e o investimento adequados no setor”.

Para o próximo ano, a expectativa é de apresentar produtos efetivos. Marta explica que “pretendemos começar a disponibilização das informações pontuais que já estiverem consolidadas e até o final do ano deverá ser lançado aplicativo para celular e o webgis para o bioma amazônico, contendo todas as informações espaciais levantadas sobre uma base de mapas e possibilitando ao usuário, além do acesso, algumas análises espaciais simples”.

O Site Aquicultura tem financiamento de três projetos complementares. Um deles é o Projeto Integrado da Amazônia, série de projetos que a Embrapa lidera dentro do Fundo Amazônia, que conta com recursos internacionais doados por alguns países e geridos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Outra fonte de financiamento do Site Aquicultura é o BRS Aqua, grande projeto que a Embrapa lidera e que tem recursos de três instituições: o BNDES; a SAP / Mapa – este recurso está sendo executado pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); e a própria Embrapa.

A terceira fonte de financiamento do Site Aquicultura é o projeto Aquicultura com Tecnologia e Sustentabilidade, o Aquitech; este tem recursos financeiros do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

*Com edição de Cerrado Rural Agronegócios