SHARE
Ladeado pelo deputado estadual Cleiton Cardoso e pelo secretário de Agricultura, Thiago Dourado, Carlesse assina a ordem de serviço (Foto: Antônio Oliveira)
Ladeado pelo deputado estadual Cleiton Cardoso e pelo secretário de Agricultura, Thiago Dourado, Carlesse assina a ordem de serviço (Foto: Antônio Oliveira)

Por Antônio Oliveira*

Ordem de serviço no valor de R$ 5 milhões para revitalizar o Projeto de Fruticultura Irrigada São João, município de Porto Nacional, na divisa com a capital do Tocantins, Palmas, foi assinada na manhã desta quarta-feira, 4, pelo governador eleito e no exercício do cargo, Mauro Carlesse. Os serviços serão realizados por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária (Seagro).

Esta primeira etapa de revitalização de um dos maiores projetos de irrigação por aspersão no Estado dará um novo impulso ao projeto, refletindo em maiores produções e produtividade de frutas e verduras.

Para o Secretário da Agricultura, Thiago Dourado, esta ação governamental tem fundamental importância do investimento para o incentivo a produção e geração de renda para os irrigantes do projeto.

– Esse investimento vai possibilitar que a água de qualidade, no volume adequado, chegue às propriedades, um sonho antigo destes produtores e, com isso, proporcionar uma produção e produtividade estimada desde a implantação do Projeto São João – argumentou.

Para o produtor de banana no projeto e engenheiro agrônomo, Marcos Ribeiro, esse incentivo é um sonho antigo que está sendo realizado para os produtores.

– Essa é uma retomada da nossa produção. Agora acreditamos que iremos produzir com a chegada da água, sem interrupções e no volume certo. A expectativa é muito grande, pois a água é um elemento essencial para nós na irrigação do cultivo de frutas e verduras – disse.

Já o presidente da associação dos irrigantes do Projeto, Carlos Araújo, iniciante na produção de coco, vê a revitalização como um recomeço para os produtores.

– Essa é uma ação que vai mudar a vida dos produtores do projeto São João, pois a água que chega pra nós hoje não é suficiente para irrigar a produção e, a partir de agora, acreditamos que é uma solução resolvida – ressaltou.

Canais alimentados por 64 conjuntos de bombeamento alimentam os aspersores do Projeto (Foto: Antônio Oliveira/Cerrado Rural Agronegócios)
Canais alimentados por 64 conjuntos de bombeamento alimentam os aspersores do Projeto (Foto: Antônio Oliveira/Cerrado Rural Agronegócios)

Revitalização

Além da revitalização da infraestrutura, que conta com 10 casas de bombas, sendo uma delas a principal que capta a água do Lago de Palmas; 64 conjuntos de motor bombas; as quais serão automatizadas e parte de uma cerca para segurança, os recursos aplicados vão promover ainda a capacitação dos produtores.

O recurso, no valor de R$ 5 milhões, é oriundo de convênio com o Banco do Brasil, por meio do Programa de Desenvolvimento Regional e Sustentável (PDRIS).

A cerimônia aconteceu na Fazenda Vita Fruta do irrigante Marcelo Galati.

Carlesse: “Sem divisão”

Em entrevista coletiva à imprensa, entre uma das lavouras de abacaxi do Projeto, o governador Mauro Carlesse, ao ser questionado por Cerrado Rural Agronegócios sobre o potencial do Tocantins para a produção de frutas nos seus projetos de irrigação por aspersão, porém emperrados por um motivo ou outro, anunciou que o seu governo fará um estudo de todos os projetos, procurando saber suas demandas.

– Nós temos que começar é pelo começo deles, saber qual o objetivo de cada, o que já foi investido e o que tem que ser investido. Então, nós temos que fazer uma reestruturação geral em quase todos os projetos. Aqui no São João não é diferente – disse.

Carlesse disse ainda que, em relação ao Projeto São João, um de seus objetivos, além da revitalização, é voltar o Projeto o seu original (parte do perímetro foi loteado para moradias ou até mesmo chácaras de recreio), que é o de produzir frutas.

Cerrado Rural Agronegócios questionou também ao Governador o fato dos projetos de irrigação no Estado, a exemplo do Manuel Alves, no sudeste do Tocantins, priorizar o pequeno produtor, porém sem recursos próprios para investimentos e com dificuldades de acesso a estes nos bancos, em detrimento dos grandes produtores que trazem recursos e experiências para os pequenos. O Governador disse não ver assim.

Melancia é uma das frutas cultivadas no São João (Foto: Antônio Oliveira/Cerrado Rural Agronegócios)
Melancia é uma das frutas cultivadas no São João (Foto: Antônio Oliveira/Cerrado Rural Agronegócios)

– E não vejo isto. Eu vejo que todo o produtor, grande ou pequeno, deve ter o acompanhamento do governo. E não discrimino nem o médio nem o pequeno, nem o grande. Nós temos que incentivar a todos e a todas as cadeias. Nós só temos 60 dias de governo e queremos essa mudança de mentalidade. Que seja entendido que há espaço para o médio, o pequeno e o grande, nós temos que desenvolver a região e entender que não temos que fazer essas diferenças e essa separação. Nós precisamos do grande para fazer grandes investimentos, precisamos olhar o pequeno porque muitas coisas só o pequeno consegue fazer. Vamos fazer deste estado um grande estado, sem divisão – concluiu.

*Mais informações da Ascom/Seagro

NO COMMENTS

LEAVE A REPLY