Da Redação*

Diariamente, a Prefeitura de Palmas, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Rural (Seder), desenvolve iniciativas para ajudar os produtores, principalmente os enquadrados na agricultura familiar. Um exemplo disso é a parceria da Secretaria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) no programa ‘Balde Cheio’.

O treinamento também foi acompanhado pelo instrutor Junior Colombo, representando a Embrapa (Foto: Secom/Palmas)

O titular da Seder, Roberto Sahium, acredita que “o aprimoramento de qualquer cultura ou atividade voltada para a produção de alimentos é uma constante que deve nortear as ações e o planejamento das boas práticas no campo”.

O ‘Balde Cheio’, segundo ele,  aposta na capacitação e implantação de tecnologias simples com foco na produção leiteira. Apesar de Palmas não ser um município referência no Tocantins quando se fala em quantidade de leite produzido para comercialização, a cidade possui mercado e potencial para isso. O segredo é estruturar e aprimorar a cadeia produtiva.

Na última segunda-feira, 4, uma capacitação reuniu cerca de 30 pessoas, entre produtores e técnicos, no Sítio Estiva, de propriedade de Anízio Moura Filho, local que já recebe ações do ‘Balde Cheio’. O médico veterinário Cláudio Sayão e o zootecnista Thiago Moreira são os responsáveis técnicos pelo acompanhamento das ações do programa por parte da Seder. O treinamento também foi acompanhado pelo instrutor Junior Colombo, representando a Embrapa.

– Já consegui identificar alguns problemas que precisam ser corrigidos na minha propriedade, como o manejo adequado da pastagem. Terei que eliminar a parte que sobra das pastagens. Percebi também por meio das orientações recebidas que a adubação deveria ter sido feita no início das chuvas. Agora é correr atrás do prejuízo e ajustar para o período da seca não afetar tanto o rendimento das vacas – explica Filho.

O produtor considera que uma das partes mais caras da produção de leite é o concentrado (alimento fornecido para vacas em lactação).

– Se a pastagem estiver de acordo com as recomendações, consequentemente a oferta do concentrado será menor e os custos para manter esses animais serão menores – complementa Filho.

Sayão lembra que pequenos ajustes de baixo custo já causam um impacto positivo na elevação da produção de leite.

– Os bons resultados abrangem alguns cuidados, que passam pela reprodução bovina, alimentação, manejo do rebanho, tecnologia na pecuária e saúde do gado – enumera o veterinário.

Questionado sobre quais mudanças já implementou no Sítio Estiva, Anízio Filho explica que ajustou a ordenha, que agora é feita com contenção, além da individualização da ração consumida pelas vacas.

– Cada animal recebe agora a quantidade exata de alimento – garante.

Outro detalhe que tem feito à diferença e deve ser seguido por qualquer produtor é o gerenciamento. – – Tem que ser criterioso nas anotações, pois isso mostrará de fato a realidade da propriedade – finaliza Junior.

*Fonte: Secom/Palmas, com edição de Cerrado Rural Agronegócios