Terminal aeroportuário de Palmas, pronto há anos, mas emperrado pela burocracia (foto: SEcom/Tocantins)

Da Redação*

A Secretaria da Indústria, Comércio e Serviços (Sics), do governo do Tocantins, está realizando um levantamento das empresas em operação no estado com demanda de importação e exportação aérea para subsidiar o alfandegamento do Terminal de Logística de Cargas (Teca) do Aeroporto Brigadeiro Lysias Rodrigues,  em Palmas.

Uma das empresas interessadas neste processo é a multinacional Corteva Agriscience que tem Centro de Pesquisa instalado no Tocantins, conforme demanda apresentada em reunião realizada, na sede da pasta, na última quinta-feira, 28, entre executivos da empresa e o secretário Tom Lyra.

Atualmente as empresas que movimentam mercadorias, periodicamente, por meio aéreo, no Tocantins, a exemplo da Corteva, precisam se dirigir a aeroportos de outros estados porque o Tocantins ainda não dispõe de um recinto fiscalizado pela Receita dentro do Aeroporto de Palmas.

Com o resultado deste levantamento, segundo Tom Lyra, o governo vai poder contar com subsídios para reforçar a solicitação.

– Queremos agilizar, junto à Receita Federal, esta demanda para favorecer a movimentação, armazenagem, e submissão a despacho aduaneiro de mercadorias procedentes ou destinado ao exterior – afirmou.

O levantamento está sendo feito pela Diretoria de Atração de Investimento e Desenvolvimento Estratégico da Sics. Os interessados em ampliar seus negócios devem procurar o órgão para reforçar os estudos.

Corteva

Secretário recebe informações de executivos da empresa Corteva em reunião na Sic (Foto: Flávio Cavalera/Governo do Tocantins)

Sobre a Corteva, uma das empresas interessadas no processo, Tom Lyra, destacou que é um grupo com alta performance em pesquisa e tecnologia instalada no Tocantins o que o qualifica a pleitear, junto à Receita Federal, um aeroporto alfandegado o que trará mais desenvolvimento regional e agilidade no processo de movimentação das mercadorias.

A Corteva é uma empresa multinacional com atuação em 130 países, com sede em Welington (Delaware, Estados Unidos), resultado da fusão de duas das maiores companhias químicas do mundo, a Dow Chemical e a DuPont.

No Brasil, a marca conta com 10 centros avançados de pesquisa, sendo um em Palmas que trabalha com o desenvolvimento, produção e comercialização de sementes.

*Fonte: Ascom/Sics, com edição de Cerrado Rural Agronegócios