Há quanto tempo que, sempre que aparece uma atividade nova, nós percebemos nossa falta de tempo? Mas nossas rotinas não nos permitem dar-nos um tempo ou até mesmo parar. São incontáveis as atividades que realizamos e aos poucos quando vemos já tem passado um dia, semana e de repente o ano acabou e nosso plano de início de ano é novamente adiado.

Sim! Você não está sozinho! Existem muitas pessoas que estão na mesma situação e não só aquelas que trabalham nos grandes centros urbanos, não. Quem trabalha no campo também está reclamando da falta de tempo. O agricultor não encontra tempo para atividades essenciais em seu negócio como manejar sua criação, vacinar, vender. Mas aí está uma boa notícia, já existem no mercado formas de auxiliar o produtor rural que está com esses problemas. Empresas que têm trabalhado para mudar essa situação por meio da tecnologia.

A Aquicultura e a piscicultura, já estão a um passo à frente de todos nós no que se trata de tecnologias (Foto: Divulgação)
A Aquicultura e a piscicultura, já estão a um passo à frente de todos nós no que se trata de tecnologias (Foto: Divulgação)

Robótica, Machine Learning, Big Data, IoT (Internet of Things, ou internet das coisas), esses nomes ainda soam estranhos nos ouvidos dos produtores, mas eles são o futuro da agricultura no mundo.

A robótica vem auxiliar com enormes máquinas que são verdadeiros robôs, com sistemas sensíveis, e que pulverizam ervas daninhas economizando assim muito agrotóxico, ou seja mais tempo para se cuidar da produção, por exemplo.

“Todavia, drones e dispositivos móveis já estão ao alcance da maioria de nós, afinal quem não usa um smartphone para mandar mensagens, compartilhar vídeos, enviar até alguns documentos importantes?”

Machine learning nada mais é que um sistema inteligente que aprende um comportamento que lhe foi ensinado, por meio da análise de dados padrões do comportamento humano. Imagine um sistema que observa que todos os dias o agricultor lança informações financeiras e, por algum motivo,  um dia ele não lança. Esse sistema se encarrega de lembrá-lo disso, e a partir daí ele poderá poupá-lo de lembrar de tudo. Neste momento, já adentramos no mundo da internet das coisas que liga todos os sistemas e os conecta transmitindo dados precisamente para que a robótica e machine learning possam trabalhar juntas da mesma forma com drones e dispositivos móveis.

Porém, para o pequeno agricultor não tem sido fácil, pois esses avanços ainda não estão acessíveis para grandes e médios produtores.

Todavia, drones e dispositivos móveis já estão ao alcance da maioria de nós, afinal quem não usa um smartphone para mandar mensagens, compartilhar vídeos, enviar até alguns documentos importantes? Então, porque também não os usar na agricultura, na pecuária, ou na aquicultura? E sabia que os piscicultores já saíram na frente com o auxílio da tecnologia? veja abaixo algumas inovações que já estão sendo estudadas, pesquisadas e algumas até já estão em fase de teste ou implementações:

– Aeradores com programação automática para ligar e desligar em horários de pico de falta de oxigênio, de acordo com o clima, evitando, assim, que o seja feito monitoramento da qualidade da água diversas vezes ou até dispensando a interferência humana para realização de tal tarefa.

– Arraçoadores eletrônicos de dosagens automática definidas segundo o plano de arraçoamento definido evitando o desperdício de ração.

– Biometria (acompanhamento da saúde/crescimento do peixe) feita por câmera ou foto-sensor sem necessidade de tirar os peixes dos tanques evitando o estresse ou a mortalidade deles no processo.

“Assim, os que trabalham no campo podem voltar a ter um pouco mais de calma a realizar as atividades e por fim dedicar mais tempo as coisas boas da vida e aos projetos idealizados neste começo de ano sem ter que adiar um pouco mais”

Todos esses procedimentos estão diretamente relacionados com os novos conceitos tecnológicos de internet das coisas e machine learning, e essas são só algumas das novidades.

Ainda podemos citar: Sugestões de processos de acordo com as excursões do dia-a-dia (machine learning); Melhorias genéticas, conforme a análise de eficiência das espécies (big data); gerenciamento e melhorias com automatização de processos (app); monitoramento e acompanhamento de viveiros (drones).

A Aquicultura e a piscicultura, já estão a um passo à frente de todos nós no que se trata de tecnologias. Além disso, muitos piscicultores estão usando um app chamado Aquabit que é um sistema de inteligência que busca auxiliar os produtores de peixes nas mais diversas atividades do dia a dia. É voltado, principalmente, para pequenos e médios criadores. Ele por sua vez automatiza as atividades que antes levavam horas e entrega tudo na palma da mão do produtor por meio de seu smartphone, economizando assim grande tempo, o que se tornou tão valioso nos dias de hoje. E esse sistema já tem atendido a uma demanda de um processo que há tempos atrás não existia e tem feito pesquisas e planejam implementar logo mais Machine learning, internet das coisas para melhorar mais ainda a experiência do produtor.

Assim, os que trabalham no campo podem voltar a ter um pouco mais de calma a realizar as atividades e por fim dedicar mais tempo as coisas boas da vida e aos projetos idealizados neste começo de ano sem ter que adiar um pouco mais.

photo_2019-01-15_15-09-21

*E Analista de Marketing na 128Bits, graduada em Marketing, pós-graduada em Comunicação e Marketing para mídias sociais.