Da Agência do Rádio Mais*

O início da semana para os preços da soja é de altas moderadas. Com a retomada dos relatórios do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, o mercado ainda não opera de maneira mais intensa e aguarda uma possível resolução da guerra comercial entre norte-americanos e chineses.

Conforme a jornalista Carla Mendes, do Notícias Agrícolas, o foco depois de passado o esperado relatório da USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) volta a ser a guerra comercial entre China e Estados Unidos, e a nova reunião entre os dois países ocorre nesta segunda, em Pequim.

– Uma nova delegação norte-americana já está por lá. No fim da semana, chega o secretário do Tesouro dos EUA e as negociações se intensificam. Até que novidades do encontro sejam divulgadas, o mercado continua trabalhando com bastante cautela, e nessa segunda já intensificou as baixas na bolsa de Chicago. No final dessa segunda, as cotações já perdiam mais de 10 pontos na Bolsa de Chicago – disse a jornalista para a Agência Rádio Mais.

E o ritmo de exportação de carne bovina caiu no início de 2019. Tanto a carne processada como in natura estão em um volume abaixo do exportado em janeiro do ano passado. E parte disso é explicada pela redução das compras por parte da China.

Cheia de altos e baixos, a soja agora está na dependência dos humores chineses e americanos (Foto: Antônio Oliveira/Cerrado Rural Agronegócios)
Cheia de altos e baixos, a soja agora está na dependência dos humores chineses e americanos (Foto: Antônio Oliveira/Cerrado Rural Agronegócios)

– No total, o Brasil já exportou esse ano cerca de 123.472 toneladas, contra 123.712 no mesmo mês de 2018. Entretanto, apesar da queda ter sido limitada, as receitas caíram de maneira significativa, de US$ 517,6 mil, em 2018, foram para US$ 457,3 mil, em 2019, ou seja redução de 12%. As informações são da Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo). A China continua sendo o maior cliente do produto brasileiro, absorvendo 41,4% do volume exportado, mas, em janeiro, Hong Kong reduziu suas compras em 27%. Ou seja, caíram de 7.706 toneladas em 2018 para 27.594 toneladas em 2019 – finalizou a jornalista.

Outro produtos

O preço da saca de 50 quilos do açúcar cristal registrou queda de 0,16% e o produto é vendido a R$ 69,77 em São Paulo. Já em Santos, no litoral paulista, o valor da saca, sem impostos, aumentou 0,17% e a mercadoria é comercializada a R$ 69,95.

O valor do milho no mercado financeiro registrou aumento de 0,48% e o preço da saca de 60 quilos do produto chega a R$ 40,18. Já o preço médio do trigo, no Paraná, aumentou 0,23% e a mercadoria é vendida a R$ 893,94. No Rio Grande do Sul, o produto é comercializado a R$ 788,57.

O preço atual da saca do feijão carioca em Chapecó, Santa Cataria, é R$ 315. Na cidade baiana de Irecê, o valor é R$ 305, enquanto em Avaré, em São Paulo, o preço é R$ 325. Já o preço atual do feijão preto chega a R$ 140 em Sobradinho, Rio Grande do Sul, e atinge R$ 205 em Guarapuava, no Paraná.

*Com edição de Cerrado Rural Agronegócios