Ricardo Santin, vice-presidente da ABPA (Foto: ABPA)
Ricardo Santin, vice-presidente da ABPA (Foto: ABPA)

Da Redação*

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) comemorou o anúncio feito nesta sexta-feira pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, sobre a concretização do acordo comercial entre os países do Mercosul e da União Europeia.

O acordo histórico, após duas décadas de negociações, traz benefícios para exportadores de aves, suínos e ovos processados.  A cota total de exportações de carne de frango será de 180 mil toneladas no ciclo de 12 meses.

– O volume acordado é expressivo, suficiente para que o Brasil mantenha sua posição como parceiro em prol da segurança alimentar europeia – ressalta Ricardo Santin, diretor-executivo da ABPA.  Ele acompanhou as negociações e participou da missão liderada pela Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, esta semana, em Bruxelas (Bélgica)

O acordo também definiu a viabilização de embarques para carne suína e ovos processados brasileiros para o Bloco Europeu.  Há pelo menos meia década o Brasil realizava investidas para embarcar estes produtos para a EU.

– O ano de 2019 marca um novo momento para o setor de proteína animal do Brasil, com a possibilidade de embarcar um fluxo maior para um dos mais relevantes mercados consumidores globais. Ao mesmo tempo, o acordo pontuará critérios mais justos e transparentes nos negócios  entre os dois blocos – exalta Francisco Turra, presidente da ABPA.

* Fonte: Ascom/ABPA, com edição de Cerrado Rural Agronegócios