Da Redação*

Para dar autonomia e reduzir custos do criador de gado leiteiro, a Secretaria de Desenvolvimento Rural (Seder), do município de Palmas, introduziu em duas pequenas propriedades de atividade familiar uma espécie melhorada de capim, o capiaçu.

A variedade é resultado do melhoramento genético  do capim-elefante que apresenta maior produção de matéria seca (silo) a um menor custo em relação ao milho e à cana de açúcar. Resultados de pesquisas deste capim foram apresentados pela Empresa Brasileira de Empresa de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) na Feira Agropecuária do Tocantins (Agrotins) 2018. Graças à parceria com a Embrapa, a Seder implantou em duas chácaras de Palmas um projeto-piloto para demonstração da viabilidade e economicidade do capiaçu para pequenos produtores de leite.

Um desses projetos fica na chácara de 5,65 hectares de Dirceu Martins de Azevedo. O leite que ele produz é destinado à fabricação de queijos e manteiga, que ele vende para supermercados, panificadoras e hotéis de Palmas.  O produtor foi o primeiro deste segmento na Capital a obter o Selo de Inspeção Municipal (SIM), registro que atesta ao consumidor a origem e segurança de seus produtos.

Antes mesmo de participar do projeto, ele recebeu apoio da Seder para reforma do pasto de capim mombaça perdido em razão de uma queimada vinda de terras vizinhas no ano passado. Primeiro o pasto de mombaça foi recomposto e atende neste atual período chuvoso seus animais em regime rotativo de piquetes. Para o período de seca que virá, ele recebeu da Seder um projeto para plantio do capiaçu, que será transformado em silo, ainda em 2019.

Projeto-piloto

O produtor rural conta que precisou gastar R$ 14 mil em 2018 para compra de 70 toneladas de silagem para substituir o pasto de mombaça que foi perdido para manter suas vacas alimentadas.

– Para 2019, gastei R$ 3 mil para ter o capiaçu em 0,7 hectare. Fiz o plantio  intercalado com milho. Acredito que deva render 200 toneladas de silo. A intenção no futuro é ampliar a área – disse Azevedo.

O médico veterinário Cláudio Sayão acompanha e orienta o produtor Dirceu Martins (Foto: Luciana Pires)
O médico veterinário Cláudio Sayão acompanha e orienta o produtor Dirceu Martins (Foto: Luciana Pires)

O médico veterinário Cláudio Sayão, que acompanha e orienta o produtor, explica que o silo produzido com o capiaçu deva render o suficiente para atender os animais do produtor durante todo o período de seca e, possivelmente, gerar um excedente para comercialização.

Atualmente, 10 pequenas propriedades rurais de Palmas já têm o capiaçu plantado. A proposta é manter o acompanhamento dos técnicos da Seder nelas e nas duas propriedades onde foram implantados os projetos-piloto. Em abril de 2019, já há a previsão de realização de um dia de campo para apresentação dos resultados já identificados com o capiaçu para mais produtores familiares de Palmas.

Resultado esperado

– Essa é uma espécie melhorada de capim que tem maior rendimento e menor custo ao produtor de leite. Em propriedades pequenas isso é importante porque com o manejo e a alimentação adequados as vacas se mantêm saudáveis o suficiente para garantir um bom resultado para a produção de leite e para a recuperação necessária para a prenhez –  esclarece o veterinário Cláudio Sayão.

Atualmente a propriedade do seu Dirceu Martins de Azevedo tem 14 vacas leiteiras, das quais oito estão em lactação rendendo, em media, 86 litros de leite por dia. Essa proporção de animais em lactação representa 57% de matrizes.

– A média ideal para uma propriedade pequena e familiar como esta é de 83% das vacas em lactação. Com esse resultado é possível melhorar a oferta adequada de alimentação na seca, que vai garantir aumento dessa média de vacas em produção na propriedade. E, por consequência, dá melhor rendimento da produção de leite. Com o capiaçu aqui na propriedade, ele tem todas as condições para alcançar isso no próximo ano e ampliar a oferta de subprodutos do leite no mercado local, que é muito carente dessa oferta local – finaliza Cláudio Sayão.

Apoio ao produtor

Atualmente 40 pequenos produtores de bovinos estão cadastrados na Secretaria de Desenvolvimento Rural (Seder). O que corresponde a uma área assistida de 2.373,3 hectares, dos quais 1.097,1 hectares ou 46,2% deles dedicados ao leite. O rebanho leiteiro assistido pela Seder em Palmas chega a 1.572 cabeças. Considerando esses números, a média por propriedade é de 12 vacas em lactação e 11 vacas secas (com lactação interrompida) em Palmas, indicativo da necessária melhoria do manejo da alimentação desses rebanhos.

Para que mais produtores familiares sejam beneficiados pela pasta, o secretário municipal de Desenvolvimento Rural, Roberto Sahium, orienta que o produtor procure a sede da Seder, na Quadra ASR-SE 125, esquina entre a Avenida NS-10 e LO-27 (próxima ao Terminal Rodoviário de Palmas) das 13 às 19 horas, e converse com os técnicos que irão ouvi-lo e orientá-lo sobre quais adaptações, tecnologias ou melhorias podem ser aplicadas à sua produção.

Esse trabalho envolve mais do que orientação, mas também visitas à propriedade, manutenção de estradas vicinais, assistência técnica com diagnóstico pensado para soluções de problemas que envolvam, por exemplo, plantadeiras ou uma doença na produção. Já nos projetos de extensão rural, desenvolvidos pela Seder, o produtor pode ser beneficiado com medidas de educação continuada pensadas para melhorar a atividade rural com conhecimento técnico dedicado ao desenvolvimento social, ambiental, produtivo e comercial do pequeno produtor.

*Fonte: Secom/Palmas, com edição de Cerrado Rural Agonegócios