Da Redação*

A Secretaria da Indústria, Comércio e Serviços (Sics), por meio da gerência de Sistemas Produtivos, participou, em Brasília, nesta terça-feira, 17, do I Workshop de Elaboração de Projetos e Parcerias Estratégicas, no Ministério de Desenvolvimento Regional. O objetivo é pleitear recursos para investimento na Piscicultura do Estado.

O Workshop apresentou as carteiras de projetos das Rotas de Integração Nacional e Cadeia Produtivas prioritárias nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

Marcondes (de terno cinza): “Nesse sentido, a melhoria na infraestrutura de apoio ao sistema de produção dos parques, possibilitará um aumento na produção de cerca de 300% ” (Foto: Secom/TO)

Dentro do Programa Rotas de Integração Nacional, a Secretaria da Indústria e Comércio vai defender o projeto de Desenvolvimento da Piscicultura em Tanques-Rede no Reservatório da Hidrelétrica de Lajeado. O projeto demanda investimentos na ordem R$ 758 mil para estruturar as áreas aquícolas do Parque Sucupira, Miracema/Lajeado e Brejinho.

Segundo o gerente de Sistemas Produtivos, Marcondes Martins, caso o projeto atenda todos os critérios técnicos exigidos pelo Ministério, estará apto a ser incluído no Plano Plurianual (PPA) para ser contemplado com recursos provenientes de emendas parlamentares.

– Vamos pleitear estes recursos que serão importantes para estruturar as áreas aquícolas no sentido de fomentar a piscicultura familiar no estado do Tocantins, no que tange ao sistema produtivo de peixes em tanques-rede no Reservatório do Lajeado – afirmou.

O gerente de Sistemas Produtivos explica que considerando os três parques aquícolas, existe um total de 235 áreas aquícolas familiares licitadas, no entanto, apenas 28 cessionários são ativos, produzindo 85 toneladas/ano na totalidade.

– Nesse sentido, a melhoria na infraestrutura de apoio ao sistema de produção dos parques, possibilitará um aumento na produção de cerca de 300%, passando de 85 para 341 toneladas/ano. Com isso, espera-se gerar cerca de 50 empregos diretos e 25 indiretos – explicou  Marcondes Martins.

*Fonte: Secom/Tocantins, com edição de Cerrado Rural Agronegócios