SHARE

Da Redação*

O surgimento dos primeiros focos da peste suína no Brasil, em meados do ano passado, tem colocado os suinocultores em estado de alerta nos últimos meses. Com a preocupação de se evitar o mal, muito se tem falado sobre como combater a doença dentro dos diversos criadouros espalhados pelo País.

De acordo com o nutricionista animal da Quimtia Brasil, José Luiz Schneiders, empresa especializada na produção de insumos para ração animal, uma das alternativas mais viáveis que auxiliam no combate à peste é proporcionar uma alimentação adequada aos suínos. Para o especialista, quando alguns compostos – suplementos vitamínicos específicos e ácidos orgânicos – são adicionados à ração, contribui-se para o aumento da imunidade do animal, reduzindo os riscos de uma possível contaminação.

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

“A nutrição faz parte do estado saudável do animal, pois fornece os nutrientes adequados para a mantença e desempenho destes”

Estes componentes nutricionais mantém, por exemplo, a integridade intestinal (maior órgão imune do corpo), o que pode acarretar em um aumento da imunidade do suíno.

– Sendo assim, o animal se torna mais resistente e as chances deste contrair algum tipo de doença é menor – explica o especialista.

– Estes compostos podem ser utilizados, inclusive, via água de bebida – acrescenta.

Schneiders explica também, que mesmo com uma alimentação saudável e eficaz, os produtores precisam se atentar aos locais onde estes animais estão alojados.

– A nutrição faz parte do estado saudável do animal, pois fornece os nutrientes adequados para a mantença e desempenho destes. Entretanto, o principal fator que requer cuidado para evitar o contágio da doença é o ambiente, pois assim como qualquer vírus, a peste suína é transmitida por animais ou pessoas que estavam em um local que já apresentava o surto e, em seguida, foram visitar um criadouro sadio, sem seguir os procedimentos corretos de higiene e desinfecção – alerta.

Contaminação

Segundo o médico veterinário e supervisor técnico comercial da Quimtia, Leonardo Egewarth, a doença é de origem viral e altamente contagiosa e requer extrema atenção no possível surgimento de quaisquer dos sinais clínicos no animal.

– Por ser uma doença de disseminação rápida, agressiva e com enorme prejuízo econômico, faz parte da Lista A da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), portanto é uma doença que precisa ser notificada obrigatoriamente e imediatamente quando houver a suspeita de qualquer caso –  afirma.

Decorrência

Ainda de acordo com Egewarth, a taxa de mortalidade pode atingir 90% em animais jovens contaminados.

– Como a queda de imunidade é muito acentuada, as células de defesa e plaquetas do animal são atingidas, o que possibilita um quadro hemorrágico e infecções secundárias – conclui o especialista.

*Fonte: Ascom/Quimtia, com edição de Cerrado Rural Agronegócios

NO COMMENTS

LEAVE A REPLY