*Da Redação

A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), apresenta o saldo alcançado, em 2019, pelos projetos públicos de irrigação implantados pela na bacia do rio São Francisco.

Conforme a companhia, mais de R$ 3 bilhões em valor bruto de produção (VBP) –  estimativa do valor total obtido pelos agricultores com a venda da produção agrícola – e cerca de 249 mil empregos diretos e indiretos. Aproximadamente 3,7 milhões de toneladas de itens agrícolas, sobretudo frutas, foram produzidos nesses projetos. Os dados foram divulgados pela Área de Gestão de Empreendimentos de Irrigação da Companhia.

A área cultivada em 2019 foi de 99,6 mil hectares, favorecendo 11,4 mil famílias, a maioria produtores familiares (Foto: Codevasf)

– Temos observado, anualmente, um investimento em tecnologia por parte dos agricultores, o que proporciona melhoria na qualidade dos produtos oriundos dos projetos da Codevasf, trazendo, como consequência, agregação de valor – destaca o diretor da Área de Gestão dos Empreendimentos de Irrigação da Companhia, Luís Napoleão Casado.

A área cultivada em 2019 foi de 99,6 mil hectares, favorecendo 11,4 mil famílias, a maioria produtores familiares, que representam mais de 10 mil. No período, o carro-chefe da produção agrícola continuou sendo a fruticultura irrigada, com destaque para uva, manga e banana, principais culturas do Vale do São Francisco, de acordo com o valor bruto de produção.

O pequeno produtor Laurismar Lopes de Souza, do projeto de irrigação Maniçoba, zona rural de Juazeiro (BA), cultiva em seu lote manga, coco e, em 2019, começou a apostar no plantio de uva. Parte dos 573 produtores, assentados no Distrito de Irrigação de Maniçoba (DIM), começaram a apostar nessa produção, que até então se restringia aos produtores em grande escala, em lotes empresariais.

– É um plantio novo pra gente. Eu vejo amigos meus que trabalham com uva e sempre tenho informações positivas a respeito. Estou aprendendo a trabalhar com essa cultura e, se der certo, a tendência é aumentar mais a área de produção. Com plantio da uva, consigo colher duas vezes ao ano e ainda faço minha programação de poda –  explica Laurismar Lopes.

No que diz respeito a produção animal, os projetos públicos de irrigação implantados pela Codevasf alcançaram uma produção de 5 mil toneladas, incluindo peixes, leite, carne e camarão, em uma área produtiva de quase 1 mil hectares. O valor bruto de produção alcançado nessa categoria foi de R$ 32,6 milhões, com destaque para projetos localizados no oeste da Bahia, Sergipe e Alagoas.

– É muito gratificante trabalhar em uma empresa que promove o desenvolvimento regional, fixa o homem no campo e contribui com o movimento da economia nacional – conclui a gerente de Apoio à Produção da Codevasf, Andrea Sousa.

Produção, emprego e renda

Os projetos públicos de irrigação implementados pela Codevasf localizam-se nos estados de Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Sergipe e Alagoas. A empresa também atua em outros dez projetos implantados pela Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf) na década de 1990 ― para compensar famílias que residiam na área onde se formou o lago da usina hidrelétrica de Luiz Gonzaga (PE) –; estes são identificados conjuntamente como Sistema Itaparica.

Todos esses projetos contribuíram, ao longo dos anos, para o desenvolvimento socioeconômico da região onde estão inseridos. Exemplo disso são os polos de Petrolina (PE)/Juazeiro (BA), Formoso e Correntina (BA) e do Norte de Minas Gerais, que têm favorecido o aumento das exportações e da geração de superávits comerciais por meio da oferta de produtos de excelência e de alto valor comercial.

Os números retratam que, ao longo dos anos, com esses projetos, houve, na região, aumento da produção e da produtividade agrícola; maior oferta de alimentos à população; ampliação da oferta de empregos diretos e indiretos e geração de renda estável, seja na zona rural ou na urbana.

*Com informações da Codevasf