SHARE

Uma das preocupações dos produtores na época de vacinação contra a febre aftosa é com a reação vacinal. Mas, você sabe a diferença entre lesão vacinal e abscesso? Será que é a mesma coisa?

Vacinação de forma individualizada, iniciativa que reduz ainda mais o risco de contaminação (Foto:Divulgação)
Vacinação de forma individualizada, iniciativa que reduz ainda mais o risco de contaminação (Foto:Divulgação)

O diluente da vacina é por si só um produto que causa irritação no local de aplicação. Por isso, sempre teremos a formação de um edema que pode variar de tamanho. No entanto, em 95% dos casos, o edema regride sozinho sem causar dano à carcaça.

Mas é preciso estar atento! Isso só ocorrerá se a vacinação for feita de maneira correta, na região indicada – tábua do pescoço – e com agulha certa, tanto no comprimento quanto na espessura, com animal contido individualmente no equipamento e não no brete coletivo, sem a conhecida pressa.

Já o abscesso ocorre após a vacinação. É uma lesão com conteúdo chamado de pus, líquido espesso, que exige uma drenagem como tratamento. Ele causa muita dor no animal e só se forma por contaminação, ou seja, por falta de higiene e/ou outros descuidos.

Existe uma recomendação corriqueira que pode minimizar a incidência de abscessos que é a troca de agulhas a cada dez animais, ou ainda fazer a vacinação de forma individualizada, iniciativa que reduz ainda mais o risco de contaminação.

O ideal seria trocar a agulha a cada abastecimento e não a cada dez animais, pois a intenção é de não contaminar o conteúdo do frasco.

De forma prática: se o frasco contém 50 doses, retiro dez doses, aplico em alguns animais e abasteço novamente o aparelho sem trocar a agulha, com certeza houve contaminação no frasco. Por isso, só evitamos a contaminação de animal para o outro se trocarmos a agulha a cada um.

Como fazer então uma boa desinfecção das agulhas e do aparelho de aplicação? A resposta é simples: apenas com fervura. Nunca use desinfetante, iodo e ou qualquer outra substância química!

Esta pode ser uma solução simples, mas eficaz durante o período de vacinação que podemos e devemos implantar para diminuir os prejuízos.

dir-rls-26-06-14*Médico-veterinário e consultor em manejo racional e bem-estar animal. Artigo enviado pela assessoria de imprensa da Beckhauser

NO COMMENTS

LEAVE A REPLY