O vazio sanitário evita a proliferação de doenças e pragas como a lagarta falsa medideira (Foto: Antônio Oliveira/CDI-Cerrado Rural Agronegócios)
O vazio sanitário evita a proliferação de doenças e pragas como a lagarta falsa medideira (Foto: Antônio Oliveira/CDI-Cerrado Rural Agronegócios)

Da Redação*

Inicia-se na próxima segunda-feira, 1º de julho, o período do vazio sanitário da soja no Tocantins, que segue até o dia 30 de setembro. Com isso, os sojicultores estão proibidos de manter o plantio da oleaginosa em lavouras de sequeiro. Segundo a Agência de Defesa Agropecuária do Tocantins (Adapec) esta medida é fundamental para prevenir e controlar a ferrugem asiática, a principal praga que ataca a cultura.

No Tocantins, a Adapec é o órgão responsável pelo monitoramento e fiscalização no campo para garantir que não haja plantas vivas durante o vazio sanitário. Segundo o gerente de Sanidade Vegetal da Adapec, Marley Camilo de Oliveira, foram cadastradas junto ao órgão na safra 2018/2019, mais de 1.500 propriedades com a cultura da soja perfazendo total de quase 1 milhão de hectares.

– Durante o vazio sanitário vamos fiscalizar essas áreas, orientando os produtores para eliminarem todas as plantas de soja voluntárias ou não, por meio de controle químico ou mecânico – explica Marley.

Ela acrescenta que em caso de presença de plantas vivas de soja no período do vazio sanitário, o processo de eliminação é de responsabilidade do proprietário ou ocupante da área.

A Adapec alerta os sojicultores do estado, que conforme a legislação, o produtor que for notificado pela Agência, por manter a plantação de soja ou que não eliminar as plantas voluntárias estará sujeito a sanções previstas em lei.

De acordo com o presidente da Adapec, Alberto Mendes da Rocha, o vazio sanitário é fundamental para o controle da ferrugem asiática no estado e por isso, a Adapec manterá uma fiscalização ativa no campo como forma de garantir que o Tocantins continue sendo um grande produtor e exportador de soja.

Sementes

Conforme a legislação, fica autorizado o cultivo de soja para produção de sementes durante o período proibitivo do vazio sanitário, apenas nas áreas de várzeas tropicais sob sistema de subirrigação, que compreendem os municípios de Lagoa da Confusão, Dueré, Pium, Santa Rita e Formoso do Araguaia.

Ferrugem Asiática da Soja

É a principal praga que acomete a oleaginosa, causada pelo fungo Phakopsora pachyrhizi. Ela dissemina rapidamente entre as plantações através do vento. Os maiores prejuízos causados é a redução da produtividade, já que causa desfolha precoce nas plantas, impedindo que os grãos de soja se formem completamente. O vazio sanitário é uma importante forma de prevenção da doença.

*Fonte: Ascom/Adapec, com edição de Cerrado Rural Agronegócios