Home Uncategorized SUCESSÃO – Alexandre Freitas assume Chefia da Embrapa Pesca e Aquicultura

SUCESSÃO – Alexandre Freitas assume Chefia da Embrapa Pesca e Aquicultura

Após o site da revista Cerrado Rural Agronegócios anunciar, em primeira mão, no início da noite de ontem, a troca de Chefia na Embrapa Pesca e Aquicultura (TO), a Assessoria de Comunicação da Unidade, em Palmas, divulgou, no final da manhã desta terça-feira, 19, o fato para a imprensa.

Alexandre Freitas fica no cargo até a conclusão de processo de escolha do novo Chefe, que pode ser ele mesmo (Foto: Embrapa)
Alexandre Freitas fica no cargo até a conclusão de processo de escolha do novo Chefe, que pode ser ele mesmo (Foto: Embrapa)

Alexandre Aires de Freitas, que desempenhava a função de chefe adjunto de Transferência de Tecnologia,  será o Chefe Geral do centro de pesquisa até a definição do(a) novo(a) ocupante do cargo, após processo seletivo em que os candidatos precisam atender vários requisitos, como experiência em gestão.

O novo Chefe Geral ressalta que será buscada a continuidade dos trabalhos e de como a Unidade vinha sendo gerida. Segundo ele,

– A expectativa é garantir que não haja nenhum problema de continuidade naquilo que já vem sendo feito. A gestão é um colegiado; isso é uma característica do Carlos Magno, ele sempre deu muita liberdade para os adjuntos – disse Freitas.

De acordo com a Embrapa Pesca e Aquicultura, permanecerão em suas respectivas chefias Eric Routledge (Pesquisa e Desenvolvimento) e Rogério Sobreira (Administração). Para a chefia de Transferência de Tecnologia, irá Daniele Klöppel, que supervisionava setor ligado ao tema.

– A ideia da Chefia, inclusive, é garantir essa continuidade pra que a gente possa fazer uma transição com zelo, com cuidado, pra que a próxima gestão possa receber uma casa conclusa e com os projetos em execução. Nós temos vários projetos grandes que já estão em execução, outros iniciando, ninguém vai diminuir o ritmo por conta disso – explicou Alexandre Freitas.

Retrospectiva

Para comunicar a troca, houve videoconferência interna de trabalho, em que foi feita uma contextualização da situação pelo presidente da Embrapa, Maurício Lopes. Durante a videoconferência, Carlos Magno se despediu e disse que “acima de tudo, deixaremos aqui uma competente equipe de jovens pesquisadores, analistas, técnicos e assistentes comprometidos com a pesca, com a aquicultura e com os sistemas agrícolas, atividades essas tão importantes para a sociedade brasileira, especialmente para aquela parte menos favorecida, os mais pobres, que aqui no Tocantins perfazem 38% dos seus quase 1,6 milhão de pessoas”.

Carlos Magno destacou três pontos de sua gestão, um em cada área em que a Unidade é dividida. Em Pesquisa e Desenvolvimento, Carlos Magno citou a publicação de 505 trabalhos técnicos, sendo 155 em periódicos indexados e, destes, 104 em veículos classificados como A1, A2, B1 ou B2, ou seja, de reconhecida qualidade. Já em Transferência de Tecnologia, o destaque foi para a realização de 389 eventos e a capacitação de quase 29.000 pessoas. Na terceira área, a Administração, Carlos Magno destacou “a obra de construção do Centro, seguindo todos os trâmites que nos são impostos pela nossa rígida legislação”.

Perfil

O novo Chefe Geral da Embrapa Pesca e Aquicultura é Engenheiro Agrônomo pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e tem mestrado em Agronomia (Irrigação e Drenagem) também pela UFC. Já prestou serviços ao Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) do Ceará e à Fundação Banco do Brasil (FBB).

Já Carlos Magno, além da Embrapa Pesca e Aquicultura, chefiou a Embrapa Cerrados (Planaltina-DF) em três ocasiões. Foi presidente da Embrapa entre maio de 1989 e maio de 1990. Em 2005, foi secretário de Agricultura de Roraima e, de 2007 a 2009, presidiu a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF).

Da Ascom/Embrapa Pesca e Aquicultura, com edição de Cerrado Rural Agronegócios