Por Antônio Oliveira (fotos e texto)

As detentas participaram ativamente do projeto
As detentas participaram ativamente do projeto


“Para nós é muito importante, representa a vida, uma nova visão de vida. Dentro da penitenciária, a gente sente que a sociedade não nos aceita e, com isto, nos sentimos inferior. Este trabalho aqui fez com que a gente se aproximasse da sociedade e iniciasse e a nossa reintegração a ela. É uma sensação muito importante para a gente. Muitas vezes, na cadeia, a gente tem depressão”. A declaração é de Ilsamaira Dias, uma das 15 presidiárias da cadeia pública de Pedro Afonso, no centro-norte do Tocantins, e uma das seis que trabalharam no projeto de construção de mais uma praça ecológica nesta cidade.

Emocionada, ao proferir estas palavras, respondendo a uma pergunta deste editor, Ilsamaira apontou uma das maiores importâncias deste projeto desenvolvido pela Associação do Meio Ambiente, uma Ong criada e dirigida pelo professor Fabrício Rocha de Sousa, e pela Prefeitura Municipal de Pedro Afonso: reintegrar e dar oportunidade a pessoas excluídas de voltar a ter contato com ações de dignidade, apressando o seu caminho rumo a recuperação ou aquisição do bom caráter, da honradez e da dignidade.

A praça consumiu mais de 500 pneus e mais de 2,7 mil garrafas pet
A praça consumiu mais de 500 pneus e mais de 2,7 mil garrafas pet

Aliás, este é, também, o pensamento dos agentes de Policia Civil e da direção daquela casa de detenção, aqui expressada pela Agente Laiane F. da Costa. “É muito importante. Primeiro é uma oportunidade de elas estarem se reintegrando a sociedade, de estar trabalhando, ao invés de só estar encarcerada”, disse.

Ainda de acordo com Laiane, a intervenção destas seis presidiarias, emprestando sua força física a um benefício público, “é um processo muito grande, principalmente para a remissão de cada uma delas e a oportunidade da sociedade as ver de outra forma, não só como criminosas, excluídas, mas também como pessoas que podem contribuir para o bem estar da comunidade em geral”

CAM02027
Um parquinho tornou a praça mais atrativa para as crianças

As praças ecológicas, são construídas com pneus velhos e com garrafas pets que, aliados às plantas floríferas e árvores nativas e mudas plantadas, produzem um visual muito bonito, além de despertar a consciência ecológica da população, fazendo-a valorizar mais os resíduos que podem ser reciclados e usados de uma forma ou de outra pela sociedade. A iniciativa tem sido conjuntamente com a Prefeitura de Município com o apoio das cooperativas que atuam na cidade como Coapa (Cooperativa Agroindustrial do Tocantins), Sicred (cooperativa de crédito, COED (Cooperativas de Educadores de Pedro Afonso), além do Sistema OCB/TO e do Campus local do IFTO (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins).

A mais nova praça com este formato foi construída na entrada da cidade e sua entrega à municipalidade foi feita no sábado, 4, por ocasião do “Dia de Cooperar”, programa do Cooperativismo brasileiro na cidade.

UM IDEAL

Professor Fabrício: "Queremos que a cidade cresça de forma sustentável"
Professor Fabrício: “Queremos que a cidade cresça de forma sustentável”

“Eu sou professor e como tal tenho o compromisso social de fazer algo de útil para a comunidade. Sob este prisma, criamos o Projeto AMA, por meio da qual procuramos fazer intervenção no espaço público a partir da reutilização de material reciclado”, justificou o presidente da AMA, professor Fabrício Rocha de Sousa.

Ele disse ainda que faz este tipo de trabalho social e ambiental “porque a gente acredita que é importante para o futuro desta cidade o seu desenvolvimento de forma sustentável”. Ainda no seu modo de ver, este ideal move o Projeto AMA.

O ativista informa ainda que a sociedade tem apoiado as iniciativas da ONG que dirige. “Ela tem nos dado subsídios, voluntários, espaços, material reciclável e mudas de plantas. Ela recebeu bem e abraçou a ideia com muita responsabilidade e comprometimento. O mesmo nós falamos do Poder Público.

Sobre a parceria com as cooperativas e a Prefeitura da cidade, o Professor a classificou de muito importante. “A gente sabe que, hoje, o que mais move a sociedade são as parcerias em torno de um interesse comum. Quando uma prefeitura se une com as demais instituições, isto só contribui para o fortalecimento da comunidade por meios de ações que modificam para melhor o espaço público e  o contexto social”, frisa.

Grupo de atores sociais e públicos que contribuíram para esta conquista"
Grupo de atores sociais e públicos que contribuíram para esta conquista”

Presente àquela solenidade, que contou com a participação artística do grupo Arte Pura – formado por jovens e adolescente – da vizinha cidade de Tupirama, o prefeito da cidade, Jairo Mariano, exaltou, para Cerrado Rural, a importância daquele espaço público e da parceria para sua concretização. Segundo ele, é por meio de parcerias entre os poderes públicos, as demais instituições públicas e privadas e sociedade que os municípios têm melhores resultados. “É isto o que nós buscamos aqui em Pedro Afonso. Nós buscamos estender o máximo de parcerias possíveis para que a gente possa efetivamente fazer com que os resultados sejam positivos para toda a sociedade”, frisa.

Ainda de acordo com ele, falando sobre os efeitos práticos de ambientes como aquele, Jairo Mariano assevera que “na verdade, qualquer município poderia estar desenvolvendo este tipo de equipamento público por meio da contratação de uma empresa. Mas isto não teria o foco que esta ação aqui está tendo que é a conscientização socioambiental da sociedade. Então, a importância deste tipo de iniciativa é o de fazer com que a comunidade saia de suas casas e possam contribuir, como voluntário, com instrumentos de interesse comum, e, consequentemente despertando nela a responsabilidade socioambiental”, concluiu.

Por sua vez, a diretora de Desenvolvimento Humano da Coapa, Maria Silvana Ramos, justificou a participação do Cooperativismo, por meio das cooperativas da cidade, de projetos como este como o cumprimento do 7º princípio do cooperativismo, “que é o interesse pela comunidade. Ou seja, ele busca melhorar a sociedade onde está inserida, as pessoas, o ambiente, a cultura”.

Maria Silvana ressalva que o cooperativismo tem este princípio, mas não é obrigado a cumpri-lo, mas se sente feliz em ver que isto é possível quando a cumpre.

Os resultados desta parceria são as melhores possíveis, acrescenta a profissional. “A gente percebe que as pessoas se sensibilizam, se conscientizam de que é preciso se juntar, de que isolados não conseguimos fazer nada, unidos é que fazemos a diferença”, conclui.

A PRAÇA

CAM02026
Alguns tipos de pneus deram um visual mais bonito á Praça

O novo equipamento público de Pedro Afonso consumiu quase 600 pneus de caminhões, automóveis e máquinas agrícolas; 2.700 garrafas pet e o trabalho braçal de 400 voluntários. Contornando-o, a prefeitura está fazendo uma calçada para cooper. Um parquinho usado foi doado e instalado no local.