SHARE

*De Assessoria

Decidir onde expandir suas terras, com o melhor custo-benefício para plantar soja, e ainda manter a floresta em pé e os ambientes naturais intactos, é um desafio para produtores e empresas agrícolas. A nova versão do Agroideal, sistema online, aberto e gratuito visa auxiliar companhias e produtores do setor de soja a mapear dados econômicos, sociais e ambientais para investimentos sustentáveis, com lucro, mas sem converter a vegetação nativa. A versão atualizada da ferramenta oferece informações sobre o Cerrado e Amazônia brasileira, além de identificar oportunidades, riscos sociais e ambientais para auxiliar a tomada de decisão de expandir responsavelmente a área produtiva sobre áreas já alteradas nesses biomas.

O sistema permite que os usuários tenham acesso aos riscos e oportunidades do desenvolvimento (Foto: Divulgação)
O sistema permite que os usuários tenham acesso aos riscos e oportunidades do desenvolvimento (Foto: Divulgação)

A The Nature Conservancy (TNC), em parceria com a Bunge e um grupo de mais de 15 outras companhias, ONG e entidades governamentais lançaram a primeira versão do Agroideal em setembro de 2017, que consistia em dados originais do Cerrado brasileiro. Localizado na parte central do país, o bioma cobre uma região de aproximadamente 25% da área total brasileira. Com mais de dez mil espécies de plantas – 45% delas exclusivas da região – o Cerrado é a savana mais rica do mundo.

– O Agroideal coloca as informações na ponta dos dedos. O desafio do Cerrado não é novidade, mas com as informações do sistema é possível fazer um planejamento sustentável para as práticas do setor. É crucial em uma região como essa, com áreas desmatadas e habitats naturais, ter a ferramenta como uma fonte confiável para apontar onde plantar e quais áreas evitar  afirma David Cleary, diretor de agricultura da The Nature Conservancy.

O Agroideal foca nas fronteiras agrícolas e nas áreas de expansão da produção de soja. O sistema permite que os usuários tenham acesso aos riscos e oportunidades do desenvolvimento, permitindo um plantio inteligente em áreas de alta produtividade.

A ferramenta também permite ao usuário gerar um mapa de risco e expansão sustentável para uma região relevante, além de avaliar a ameaça de expansão sobre a vegetação nativa. Assim, é possível incorporar essas informações em uma estratégia de desenvolvimento para planejar a expansão em áreas já abertas, reduzindo o desmatamento de áreas naturais e impactos sociais e ambientais.

Sobre a ferramenta/informações adicionais

– Base de dados única, de fácil acesso

– Gratuita

– Dados atualizados para novas regiões (novo)

– 35 bases de dados (novo)

– Inteligência territorial multidisciplinar e uma abordagem multisetorial para planejamento do uso da terra

– Combina quantidade, qualidade e métodos espaciais

– Baseado no desenvolvimento sustentável

– Disponível em Inglês, Português e Espanhol (novo)

Estudos recentes destacam que mais de 750 000 km² ou 18% da Amazônia e 825.000 km² ou 41% do Cerrado foi devastado. Desde 2011, o Cerrado perde uma área maior que o tamanho da cidade de Londres, Inglaterra, por ano (estimativa) e a Amazônia, de 2015 a 2016, aumentou em 29% a devastação em seu território – uma área que é o dobro do tamanho da cidade do Rio de Janeiro.

– O Cerrado é, provavelmente, a última fronteira agrícola do Brasil. Desmatamento, expansão agrícola e queimadas têm destruído uma extensa área deste bioma e a demanda por soja está exercendo uma pressão enorme na região. O Agroideal ajuda as empresas a atender a essa demanda com o menor impacto ambiental e social – afirma Flávia Pinto, coordenadora do Agroideal, da The Nature Conservancy Brasil.

A maioria da safra de soja do mundo é atualmente usada para a alimentação de aves, suínos, gado e aquicultura.

– O Agroideal é uma parte importante para implementar o compromisso de desmatamento zero da Bunge – afirma Stewart Lindsay, vice-presidente de assuntos corporativos.

– Isso possibilita a Bunge uma nova capacidade de integrar as questões ambientais dentro de seu planejamento e decisões de compra.

Uma nova atualização planejada para o fim deste ano vai incluir a cobertura do Chaco Argentino, região semi-árida de baixíssima densidade populacional e alto risco de desmatamento. Em 2019, as atualizações serão focadas no mapeamento da pecuária no Cerrado, na Amazônia e nas regiões do Chaco Paraguaio, locais onde o gado pode pastar e se desenvolver.

Para mais informações: dados digitais sobre o Agroideal e mais informações, incluindo mapas regionais do Brasil, podem ser encontradas no site global.nature.org e agroideal.org.

*Com edição de Cerrado Rural Agronegócios

NO COMMENTS

LEAVE A REPLY