SHARE

Da Redação*

A construção da TO-500, que liga a BR-242, a partir do estado da Bahia, atravessa o Tocantins e culmina no oeste do Mato Grosso, esteve em pauta de reunião, nesta quarta-feira, 5, durante audiência que ocorreu no Palácio Araguaia entre o Governador Mauro Carlesse, representantes políticos e empresários interessado na construção da rodovia.

Com mais de 190 km de extensão, a obra tem um custo estimado em mais de R$ 1 bilhão, sendo que a proposta é de que a construção seja executada na modalidade Parceria Público-Privada (PPP).

A rodovia irá criar um corredor de exportação com impacto positivo para o agronegócio, pois vai reduzir os custos de transportes para o escoamento da produção agrícola, mesmo com a cobrança de pedágio. Depois de pronta, a TO-500, vai encurtar as distâncias para o escoamento de produtos vindos do Mato Grosso para os portos de Salvador e Maranhão.

Na audiência, o Governador Mauro Carlesse se comprometeu a empenhar esforços junto ao governo federal para que a obra possa sair do papel.

– Temos interesse que essa obra seja construída e sabemos que ela trará mais desenvolvimento fazendo essa ligação definitiva entre o Tocantins e o estado de Mato Grosso. Além disso, a rodovia vai tirar do esquecimento as cidades que ficam no entorno, fomentando a geração de emprego, da renda e da diversificação das atividades – disse.

O deputado federal de Mato Grosso, Nelson Barburdo, avaliou a reunião com o Governador muito positiva.

– A receptividade do Governador e a vontade que ele tem de tocar o projeto da TO-500 deixa o povo mato grossense e a classe política muito animada. O Governador se propôs a nos acompanhar nas audiências e fazer tudo o que for necessário para que o projeto, que hoje é um sonho, possa acontecer – ponderou.

(Foto: Secom/TO)
(Foto: Secom/TO)

“A proposta de construção da rodovia conta com o apoio, formalizado por meio de ofício, de produtores rurais, comerciais e industriais do Tocantins e do Mato Grosso”

Para o engenheiro e autor do projeto da rodovia TO-500, José Rubens Mazzaro, as próximas fases debatidas no encontro de hoje tendem a aceleram o início das obras.

– Agora, nós vamos atrás do decreto presidencial para autorização jurídica da construção da rodovia. Propusemos também ao governador Mauro Carlesse que fizesse uma audiência pública com os indígenas Carajás e Javaés e ele confirmou que vai viabilizá-la em janeiro do próximo do ano. Ficou marcada também uma reunião técnica comigo e o presidente da Ageto [Agência Tocantinense de Transportes e Obras] para a gente debater a parte técnica da obra – explicou.

Projeto

O projeto da travessia da Ilha do Bananal é de autoria do engenheiro José Rubens Mazzaro, líder da Comissão Pró TO-500. Com o Projeto de Lei aprovado em 2012 pela Assembleia Legislativa do Tocantins, é aguardada a publicação de um Decreto Federal, outorgando os direitos para que o Governo do Estado do Tocantins possa empreender e executar a obra sobre a Ilha do Bananal, que é de responsabilidade da União.

A proposta de construção da rodovia conta com o apoio, formalizado por meio de ofício, de produtores rurais, comerciais e industriais do Tocantins e do Mato Grosso, e também, dos indígenas que vivem na Ilha do Bananal.

Obras

As obras para a construção da TO-500 incluem serviços de terraplanagem; pavimentação e sinalização; construção de seis pontes sobre os rios Javaés, San Rocan, Riozinho e Jaburu; uma ponte estaiada no Rio Araguaia; muretas de concreto e outros.

Presenças

Além do governador Mauro Carlesse, do deputado federal de Mato Grosso, Nelson Barbudo, e do engenheiro José Rubens Mazzaro, participaram também da reunião a presidente da Assembleia Legislativa do Tocantins, deputada Luana Ribeiro; os deputados estaduais do Tocantins Ricardo Ayres e Olyntho Neto; a prefeita de São Félix do Araguaia (MT), Janailza Taveira; o prefeito Santa Terezinha (MT), Euclesio José Ferreto; o chefe do Gabinete do Governador, Divino Allan Siqueira; o secretário-chefe da Casa Civil, Rolf Vidal; o presidente da Ageto, Virgílio da Silva Azevedo; além de empresários e representantes políticos do Tocantins e Mato Grosso

*Fonte: Secom/TO, com edição de Cerrado Rural Agronegócios

NO COMMENTS

LEAVE A REPLY