O Tocantins possui atualmente uma área plantada de algodão estimada em 5 mil hectares  (Foto: Ascom/Adapec)
O Tocantins possui atualmente uma área plantada de algodão estimada em 5 mil hectares (Foto: Ascom/Adapec)

Da Redação*

Com o objetivo de normatizar o cultivo de algodão no Tocantins e criar mecanismos de controle de pragas nesta cultura, a Agência de Defesa Agropecuária do Tocantins (Adapec), publicou no Diário Oficial desta quinta-feira, 11, a Instrução Normativa nº 05, que dispõe sobre medidas fitossanitárias para o controle do bicudo do algodoeiro, principal praga que atinge esta plantação.

O presidente da Adapec, Alberto Mendes da Rocha, disse que a legislação foi preparada pelo órgão para regulamentar o cultivo do algodão no Tocantins, uma vez que esta cultura poderá contribuir significativamente para alavancar a economia do Estado.

– O governo vem buscando meios para o crescimento econômico do nosso Estado, e o plantio de algodão é mais uma alternativa, por isso, preparamos esta legislação permitindo que a partir de agora o produtor rural que tiver interesse em investir neste setor encontrará um embasamento legal – ressaltou Alberto.

O responsável técnico pelo Programa Estadual de Grandes Culturas, Helcids de Sá Reis explicou que o bicudo do algodoeiro é a principal praga do algodão que causa prejuízos econômicos elevando o custo de produção da cultura, por isso, existe a necessidade de estabelecer medidas fitossanitárias para prevenção e controle da praga.

A instrução normativa prevê: cadastro obrigatório das propriedades produtoras de algodão junto a Adapec até 15 de janeiro de cada ano; estabelece o Vazio Sanitário para a cultura do algodão no período de 20 de setembro a 20 de novembro de cada ano; destruição dos restos culturais e plantio excepcional.

Dados

O Tocantins possui atualmente uma área plantada de algodão estimada em 5 mil hectares distribuída entre os municípios de Tocantinia, Dianópolis, Mateiros e Gurupi.

*Fonte: Ascom/Adapec, com edição de Cerrado Rural Agronegócios